São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quinta-feira 17 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.220 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

ALEX SOLNIK | Povo na rua derruba o golpe... na Turquia

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete.
16/07/2016

“O povo na rua derruba a ditadura” foi a manchete de um jornal da imprensa alternativa carioca dos anos 70, exprimindo mais um desejo do que noticiando um fato. 

   Nessa noite, na Turquia, pudemos ver que o povo na rua derrubou um golpe de estado.

   Quando o presidente Erdogan convocou o povo para ir às ruas soou como um convite ao suicídio, pois os golpistas de parte do exército turco ocuparam o aeroporto da capital, invadiram a televisão estatal, bloquearam pontes, sobrevoavam a cidade com helicópteros e cercaram o Parlamento com tanques. E estavam, evidentemente, armados.

   Embaixadas de vários países, inclusive de Portugal, comunicaram aos imigrantes para ficarem em casa.

   Aos poucos, no entanto, as principais ruas foram se enchendo de gente desarmada oferecendo um espetáculo inédito: o povo sem armas expulsou os golpistas do aeroporto, impediu o avanço de tanques, sem que os articuladores da deposição de Erdogan tivessem tempo de reagir.

   Depois de algumas situações de confronto que resultaram em algo como 17 mortes, nas quais aviões pró-Erdogan derrubaram helicóptero golpista, entre outras, notícias de que o golpe falhara foram emitidas, acalmando não só o país, como a vizinha Rússia e o distante Estados Unidos, que aguardavam com ansiedade o desenrolar dos acontecimentos.

   Soldados anti-Erdogan foram presos pela polícia e conduzidos pelas ruas sob aplausos da multidão. Carros abertos com civis carregando bandeiras passaram a desfilar em homenagem à democracia. A tevê estatal foi desocupada.

   Em poucas horas a rebelião anti-democrática foi sufocada.

   Pela primeira vez um governo conseguiu derrotar os golpistas com a força do povo.

   Não há como não estabelecer um paralelo com o caso brasileiro. O golpe do PMDB, com Temer à frente, que não tem apoio militar, não usa tanques, nem helicópteros, prossegue dentro do Congresso Nacional sem que um movimento popular o abafe. Ao contrário do povo turco, que não se intimidou com o estado de guerra, tanques nas ruas e helicópteros no céu, o povo brasileiro resume suas ações em “escrachos” que não produzem os efeitos desejados.

   Talvez falte um Erdogan para convocar uma verdadeira resistência civil ao avanço do PMDB sobre a democracia brasileira.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]