São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - sábado 21 de outubro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.291 - Visualizações: 18.935.765 - Postagens: 32.192

Sucessão de Eduardo Cunha racha tudo: Palácio, base e oposição


Por: Tereza Cruvinel | 10/07/2016

Nunca uma disputa pela presidência da Câmara, e por um mandato tampão de apenas seis meses e alguns dias, teve tantos candidatos. Nem há precedente de tantas divisões para escolher quem terá como principal missão estabilizar e reunificar a Casa.  A disputa literalmente racha a base de apoio do governo interino. De um lado o Centrão, com um dos candidatos favoritos (Rogerio Rosso, PSD/DF) e meia dúzia de figurantes, de outro, os partidos da antiga oposição aos governos petistas, como  PSDB, DEMO, PSB e PPS. Eles são mais propensos a apoiar Rodrigo Maia, do DEMO, mas também apostam em Heráclito Fortes, do PSB.

No grupo palaciano, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, trabalho pelo Centrão. Logo, por Rogerio Rosso, o favorito do antigo baixo clero que, na gestão de Eduardo Cunha, ganhou um upgrade, no nome e na influência. Já o secretário do PPI, que não tem título mas tem status de ministro, Moreira Franco, trabalha pelo genro, Rodrigo Maia. O chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, faz como o chefe, Michel Temer: garante que ficará equidistante.

E a oposição, que com cerca de 100 votos poderá ser um diferencial, pesando na balança a favor de um dos candidatos, também está dividida, a começar do PT. Ali, a corrente CNB, ligada a Lula, não esconde a preferência por Rodrigo Maia como melhor alternativa para derrotar o grupo de Cunha – embora Maia sempre tenha sido um antipetista fervoroso e tenha trabalhado intensamente a favor do impeachment de Dilma. A corrente Mensagem e outros grupos preferem Marcelo de Castro, do PMDB, embora Eduardo Cunha esteja atuando para impedir que o partido tenha candidato próprio. “Agora temos o presidente da República”, disse naquela manifestação pelo grupo de whatzaap da bancada, ao explicar que os outros não aceitariam o PMDB com as três coroas: Planalto, Câmara e Senado. Mas Castro até já se inscreveu e os petistas que o apoiam lembram sua independência em relação a Cunha e o fato de ter sido leal a Dilma, quando era seu ministro, deixando o cargo para assumir o mandato e votar contra o impeachment.

PT rachado, o PC do B não fica atrás. O deputado Orlando Silva e o ex-ministro Aldo Rebelo também articulam a favor de Rodrigo Maia mas a líder da minoria, Jandira Feghali, que é o do Rio como ele, não aceita apoiar um nome do PFL, identidade da qual os Democratas ainda não conseguiram se livrar.

Com racha para todo lado, as promessas de “reunificação da Casa” soam ocas. Mas quem tem mais a perder é Temer com sua base dividida. Disputas deixam sequelas, pelo menos nos primeiros meses, e Temer, se efetivado, vai precisar logo de uma base coesa para aprovar suas pautas do desmonte, que começam pela PEC do teto para o gasto público.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]