São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - segunda-feira 18 de dezembro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.349 - Visualizações: 19.638.129 - Postagens: 32.192

Se o senado ouvir o povo, despachará Temer


A rejeição ao impeachment já tem o apoio de 72% dos brasileiros; isso porque 20% defendem que a presidente Dilma Rousseff volte e conclua seu mandato, enquanto 52% são favoráveis a novas eleições – o que também passa pelo retorno de Dilma; apoio à permanência do interino Michel Temer conta com a adesão de apenas 16% dos brasileiros; como a presidente Dilma irá incluir na carta aos brasileiros que discute com senadores seu compromisso com novas eleições, os senadores, se forem mesmo fiéis à voz das ruas, só têm uma saída: rejeitar o impeachment e mandar Temer de volta para o Jaburu

31 DE JULHO DE 2016

Nos meios políticos, sempre se diz que os parlamentares são sensíveis à voz das ruas. Se isso é verdade, o interino Michel Temer será despachado de volta para o Palácio do Jaburu no início do mês de setembro, quando ocorrerá a votação final do impeachment.

Basta fazer contas simples para notar que nada menos que 72% dos brasileiros são favoráveis à rejeição do impeachment. Isso porque 20% defendem que a presidente Dilma Rousseff volte e conclua seu mandato, enquanto 52% são favoráveis a novas eleições – o que também passa pelo retorno de Dilma.

Enquanto isso, o apoio à permanência do interino Michel Temer conta com a adesão de apenas 16% dos brasileiros e pode diminuir ainda mais durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro, que já estão sendo palco até de protestos de atletas na Vila Olímpica.

Como a presidente Dilma irá incluir na carta aos brasileiros que discute com senadores seu compromisso com novas eleições, os senadores, se forem mesmo fiéis à voz das ruas, só têm uma saída: rejeitar o impeachment e mandar Temer de volta para o Jaburu.
Outro fator que fortalece a volta de Dilma é a tendência de que Henrique Meirelles permaneça no cargo, contribuindo para que o Brasil recupere sua democracia, sem maiores turbulências nos mercados.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]