São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quinta-feira 17 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.220 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

Raposas do golpe do PSDB estão caladas diante da prisão de Eduardo Cunha


Partido que assumiu viés moralista nos últimos anos não soltou um pio na tarde desta quarta-feira 19, quando o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi preso por determinação do juiz Sérgio Moro; no Congresso, o presidente do PSDB e senador Aécio Neves (MG), que já teve o nome citado por vários delatores na Lava Jato, frustrou os jornalistas hoje ao passar direto sem comentar o caso Cunha; outras lideranças, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador Geraldo Alckmin e o deputado Carlos Sampaio também nada disseram até o momento; apenas o deputado Antônio Imbassahy (BA), líder do PSDB na Câmara, soltou uma nota discreta sobre o assunto

19 DE OUTUBRO DE 2016

O PSDB continua vestindo os trajes da moralidade. Prova disso é o silêncio diante da prisão, na tarde desta quarta-feira 18, do deputado cassado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por determinação do juiz Sérgio Moro.

Ontem, no Congresso, o presidente da legenda, o senador Aécio Neves (MG), que já teve o nome citado por vários delatores no âmbito da Operação Lava Jato, frustrou os jornalistas ao passar direto sem comentar o caso Cunha, conforme vídeo divulgado pelo jornalista George Marques no Twitter.

Outras lideranças tucanas, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e o deputado Carlos Sampaio (SP) também nada disseram até o momento sobre a prisão de Cunha. Apenas o líder do PSDB na Câmara, deputado Antônio Imbassahy (BA), soltou uma nota discreta sobre o episódio.

"Já era de certa forma esperada, diante da quantidade de denúncias e da gravidade dos fatos a ele atribuídos. É mais um passo da Operação Lava Jato e cabe agora à Justiça, no vigor do regime democrático de Direito, realizar o julgamento final", disse Imbassahy.

Nos últimos anos, desde o início da Lava Jato e especialmente na luta para apear do poder a presidente Dilma Rousseff, o PSDB assumiu um viés moralista, indicando que a corrupção atingiria apenas o PT e seus membros. Aécio, porém, a todo custo para concretizar o impeachment, se aliou a Cunha, três vezes réu no Supremo. E mantém o silêncio quando o ex-aliado é preso.

Veja mais no Brasil 247


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]