São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quarta-feira 16 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.219 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

Teori Zavascki: faltou seriedade no powerpoint contra Lula


O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, classificou nesta terça-feira, 4, como "espetacularização" a atuação dos procuradores da República, durante a apresentação da denúncia contra o ex-presidente Lula, que foi apontado como líder de organização criminosa; "Lá em Curitiba, se deu notícias sobre organização criminosa, colocando o presidente Lula como líder da organização criminosa, dando a impressão, sim, de que se estaria investigando essa organização criminosa, mas o objeto da denúncia não foi nada disso. Essa espetacularização do episódio não é compatível nem como objeto da denúncia nem com a seriedade que se exige na operação desses fatos", afirmou; Teori negou pedido de Lula para que os inquéritos contra ele sejam transferidos do juiz Sérgio Moro para a corte; para Teori, Lula poderia recorrer ao Supremo contra a conduta dos integrantes do Ministério Público durante a coletiva

4 DE OUTUBRO DE 2016

O ministro Teori Zavascki, relator Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, criticou nesta terça-feira, 4, a "espetacularização" dos procuradores da República no Paraná na entrevista coletiva em que apresentaram a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"[...] lá em Curitiba, se deu notícias sobre organização criminosa, colocando o presidente Lula como líder da organização criminosa, dando a impressão, sim, de que se estaria investigando essa organização criminosa, mas o objeto da denúncia não foi nada disso. Essa espetacularização do episódio não é compatível nem como objeto da denúncia nem com a seriedade que se exige na operação desses fatos", afirmou Teori.

Declaração foi dada durante julgamento que negou pedido do ex-presidente Lula para que os inquéritos contra ele sejam transferidos do juiz Sérgio Moro para a corte. Lula argumentou que a investigação às suspeitas de organização criminosa está a cargo do Supremo, além de esse crime não constar na denúncia apresentada.

Relator dos casos da Lava Jato no STF, Teori ponderou que o petista poderia recorrer ao Supremo contra a conduta dos integrantes do Ministério Público durante a coletiva, em vez de questionar a suposta usurpação de competência de Moro. "Se houvesse reclamação, deveria ser contra esse episódio", disse o relator.

Votaram com Teori, contra o acolhimento do recurso, os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Outro membro da segunda turma, o decano Celso de Mello, estava ausente do julgamento.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]