São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quarta-feira 23 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.226 - Visualizações: 17.977.957 - Postagens: 31.406

Caiu a ficha até da Globo que vendeu como salvação, o ‘Golpe’ quebrou o Brasil



Vendido ao público como a condição necessária para a volta da confiança, o golpe parlamentar de 2016, que começou a ser construído um dia depois da vitória da presidente Dilma Rousseff em 2014, colocou o Brasil num lamaçal político e econômico para o qual ainda não se encontrou uma saída; com Michel Temer e Henrique Meirelles, o rombo fiscal explodiu, a arrecadação desabou e as vendas do comércio e da indústria foram ao fundo do poço; autodestruição brasileira já ganha até a manchete do Valor Econômico, da Globo, que foi peça central do golpe

14 DE NOVEMBRO DE 2016

O golpe parlamentar contra Dilma Rousseff colocou o Brasil num lamaçal político e econômico para o qual ainda não se encontrou uma saída.

Com Michel Temer na presidência da República e Henrique Meirelles no Ministério da Fazenda, o rombo fiscal explodiu, a arrecadação desabou e as vendas do comércio e da indústria foram ao fundo do poço.

A autodestruição brasileira ganhou nesta segunda-feira 14 até a manchete do jornal Valor Econômico, da Globo, que foi peça central do golpe.

Dados negativos

Apesar de Temer falar insistentemente em retomada da economia, o que se vê, na verdade, é a divulgação de índices cada vez piores. Analistas já descartam recuperação do crescimento do PIB esse ano e a recuperação a partir de 2017 também vem sendo reduzida.

Para 2016, as projeções para o PIB, que anteviam uma recessão de 3%, agora se situam em 3,5%. Para o próximo ano, as estimativas indicavam um crescimento de até 2%, mas agora estão mais próximas de 1%.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) já prevê que o varejo brasileiro deve apresentar em 2016 um dos piores resultados históricos, com queda de 6%, depois que as vendas do comércio registraram o pior setembro em 12 anos.

A indústria brasileira também manteve contração em outubro, com redução nos níveis de produção e emprego, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês). E a produção industrial já acumula queda de 7,8% no ano.

Michel Temer, no entanto, apresenta projeções otimistas, que segundo ele serão decorrentes das medidas de austeridade que vem praticando – apesar de gastos em outros setores, apontando uma contradição.

Quando completou 180 dias no poder, ele pediu aos brasileiros mais oito meses de paciência, admitindo que "a retomada do emprego é algo que demora" e ainda que "nossa esperança é que no segundo semestre de 2017 o PIB não seja negativo".


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]