São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - sábado 21 de outubro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.291 - Visualizações: 18.935.765 - Postagens: 32.192

JN tendencioso e mentiroso escondeu trecho do depoimento do Afonso do Tripléx em que diz que a chave ficava com engenheira da OAS



“O Jornal Nacional veiculado ontem (17/12) pela TV GLOBO incorreu em erro factual ao afirmar que o juiz Sergio Moro teria desligado o áudio durante a outiva do Sr. José Afonso Pinheiro, na ação que trata do afirmado triplex do Guarujá. Ao contrário do que foi afirmado pela emissora, Moro não interrompeu o áudio e, além disso, permitiu que a testemunha fizesse insultos a Lula e a mim, seu advogado, durante o ato processual”, diz nota do advogado Cristiano Martins; ele afirma ainda que Pinheiro, ex-zelador do Edifício Solaris, no Guarujá (SP), não poderia ter sido aceito como testemunha porque fez campanha política usando o episódio como trampolim

Em nota, a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aponta erro do Jornal Nacional e condena o que considera parcialidade do juiz Sergio Moro.
Leia abaixo:

O Jornal Nacional veiculado ontem (17/12) pela TV GLOBO incorreu em erro factual ao afirmar que o juiz Sergio Moro teria desligado o áudio durante a outiva do Sr. José Afonso Pinheiro, na ação que trata do afirmado triplex do Guarujá. Ao contrário do que foi afirmado pela emissora, Moro não interrompeu o áudio e, além disso, permitiu que a testemunha fizesse insultos a Lula e a mim, seu advogado, durante o ato processual.

Confira a íntegra da nota enviada ao Jornal Nacional:

“Um juiz imparcial jamais teria ouvido o Sr. José Pinheiro como testemunha porque, como filiado a partido político e candidato a vereador em Santos (SP), ele fez campanha usando dos fatos em discussão no processo. Muito menos um juiz imparcial teria permitido que uma testemunha, diante de perguntas objetivas e feitas em tom cordial, respondesse com insultos a Lula e a mim com seu advogado, ao mesmo tempo em que fazia declarações de cunho subjetivo e sem qualquer valor jurídico. O mais grave ainda é que o juiz do caso, além de pedir “desculpas” à testemunha após ela agir dessa forma  desrespeitosa, ainda lançou a mim descabidas provocações após o áudio da audiência ser desligado. O assunto e as provas correspondentes serão encaminhados à OAB para as providências cabíveis.”


Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]