São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - segunda-feira 21 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.224 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

Preso pela PF, prefeito eleito Robert Viana de Mulungu é diplomado e vai poder gerir cidade


Prefeito é suspeito de operar esquema de fraudes no transporte escolar. Mesmo preso, prefeito Robert Viana pode administrar o município


20/12/2016 - Mesmo preso na sede da Polícia Federal em Fortaleza, o prefeito eleito de Mulungu, Robert Viana (PMN), foi diplomado. De acordo com a Justiça Eleitoral, a diplomação ocorreu por meio de uma procuração que deu poderes a seu advogado para representá-lo no ato.

A diplomação se deu no dia 7 de dezembro, no mesmo dia em que o prefeito foi preso em uma operação que contou com o apoio da Controladoria Geral da União (CGU). De acordo com a PF, a prisão antes da diplomação foi para evitar que Robert Viana conseguisse foro privilegiado.

O procurador de Justiça no Ceará Ricardo Rocha afirma que, como Robert Viana não é investigado por atos cometidos durante o exercício do mandato, mesmo de dentro da prisão ele pode administrar o município pelos próximos quatro anos. De acordo com a Constituição Federal, nenhum cidadão pode ser ser punido sem que a condenação tenha transitado em julgado, ou seja, quando não existe mais a possibilidade de recurso.

Procurada pelo G1, A Prefeitura de Mulungu afirmou que não vai se pronunciar sobre o assunto. O prefeito Robert Viana foi preso na Operação Três Climas. De acordo com as investigações, ele é suspeito de cometer fraudes no serviço de transporte escolar em três outros municípios: Ocara, Itapipoca e Pacajus. Além dele, um ex-secretário e três secretários de educação de prefeituras do interior do estado também foram presos.

De acordo com a Polícia Federal, somente uma das empresas contratadas pelas três prefeituras superfaturou os serviços de transporte escolar em mais de R$ 10 milhões. Os contratos sob suspeita foram celebrados entre 2012 e 2015. Os crimes investigados são de peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, fraude em licitação, dispensa indevida de licitações , associação criminosa  e lavagem de dinheiro.

Segundo o delegado Carlos Joecio Duarte de Holanda, o serviço de transporte escolar contratado era superfaturado. As rotas eram superdimensionadas e as empresas contratadas pelas prefeituras para execução direta subcontratavam o serviço, pagando valores muito inferiores ao que recebiam das prefeituras envolvidas, entre outras irregualdidades.

AS investigações mostram que a a fraude envolvia especialmente os repasses federais destinados a ações de Transporte Escolar na Educação Básica (PNATE) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).


1 comentários:

Manoel Oliveira disse...

OLHE EU NÃO ACREDITO QUE A POLICIA FEDERAL, DEIXE ESSE CRIMINOSO NA FRENTE DA PREFEITURA, QUE BRASIL DE LADROES E CRIMINOSOS.

[ Deixe-nos seu Comentário ]