São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - domingo 17 de dezembro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.348 - Visualizações: 19.638.129 - Postagens: 32.192

Golpe de Temer, Aécio, Cunha e outros devolve 4,3 milhões de famílias às classes D e E


As classes D e E ganharam 4,3 milhões de famílias nos últimos dois anos e voltaram a representar 56,5% do total de domicílios do país, bem acima dos 51,4% registrados em 2014, a menor proporção de mobilidade social que começou em 2003; o levantamento é da Tendências Consultoria com base na Pnad e em dados da Receita Federal; segundo a Tendências, o ciclo de mobilidade social foi interrompido em 2015 e 2016, justamente os anos em que a aliança Aécio Neves (PSDB) - Eduardo Cunha (PMDB) implodiram a governabilidade de Dilma Rousseff até a ascensão de Michel Temer, que provocou a maior depressão econômica da história do País; nesses dois anos, a classe C perdeu 670 mil integrantes, a B, 1,2 milhão - o saldo mais negativo em termos absolutos - e a A, 475 mil, retração de 17,7% sobre 2014, a maior em termos percentuais

30 DE JANEIRO DE 2017

Levantamento feito pela Tendências Consultoria com base na Pnad e em dados da Receita Federal - divulgados até 2015 e projeções para 2016 prova que golpe parlamentar produziu efeitos perversos, especialmente entre a população mais pobre.

Segundo o estudo, divulgado pelo jornal Valor nesta segunda-feira, 30, as classes D e E ganharam 4,3 milhões de famílias nos últimos dois anos e voltaram a representar 56,5% do total de domicílios do país, nível próximo do registrado em 2011, 57,4%.

Nestes dois anos de 2015, quando a aliança entre o senador Aécio Neves (PSDB) e o então presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) apostaram na política do "quanto pior, melhor", e de 2016, quando o produto desta irresponsabilidade foi a ascensão de Michel Temer à presidência, a classe C perdeu 670 mil integrantes, a B, 1,2 milhão - o saldo mais negativo em termos absolutos - e a A, 475 mil, retração de 17,7% sobre 2014, a maior em termos percentuais.

O economista Adriano Pitoli, autor da análise, diz que a mobilidade social só será retomada a partir de 2018, e em ritmo mais lento do que o observado até 2013. Com a mudança da dinâmica econômica, menos atrelada ao consumo daqui para frente, ele diz, a classe C, por exemplo, deve ter evoluções modestas nos próximos dez anos.

O avanço no grupo de menor rendimento, afirma Renato Meirelles, do Instituto Locomotiva, acompanha a alta do desemprego no país e revela a face mais negativa da atual recessão. "Foi quem perdeu o emprego e hoje faz muito bico, trabalho provisório".


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]