São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - sexta-feira 15 de dezembro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.346 - Visualizações: 19.638.129 - Postagens: 32.192

Por que não abrimos logo campos de concentração?


POR FERNANDO BRITO · 03/01/2017

Não cabe falar do show de horrores do massacre na penitenciária de Manaus.  Quem vive da exploração da miséria humana que o faça.

Cabe falar de um país que vive a insânia de meter na cadeia quase 700 mil pessoas, em condições trágicas e perspectivas ainda mais trágicas.

Se considerarmos o número dos que estudam como indicador de ressocialização, só 12,8% deles, 84 mil,  trilham esse caminho, segundo publicou ontem O Globo, antes desta tragédia.

Ou, fazendo a conta ao inverso, para evidenciar: 572 mil indivíduos estão na cadeia sem esperança de um vida, o que dirá melhor.

Não deve ser algo tão ruim, porque há muitos empresários privados – como os que administram o presídio de Manaus, algo sonegado à opinião pública, ao menos ao que vi – e os dados estão todos na página dos Jornalistas Livres – e as “otoridades”, esquecidas de que a lei coloca os custodiados sob responsabilidade do Estado, se preocupam em dizer que se mataram uns aos outros.

Com o requinte sádico de chamarem o “empreendimento” de Umanizzare,

Fico pensando se não é uma baita hipocrisia não abrirmos logo campos de concentração, porque estamos em marcha batida para termos um milhão de pessoas presas. O que, convenhamos, é prender em escala hitleriana.

Afinal, não vibramos com a prisão, não consideramos a cadeia o sinônimo de Justiça e o caminho da realização dos desejos coletivos?

E não achamos que prender de menos, e não demais, é a fonte de nossos problemas.

Quem sabe a gente tenha de admitir que os chuveiros que soltavam o gás Zyclon B fossem piedosos em relação aos facões e  machado que retalham pessoas ainda vivas e lhes arrancam corações?

Os nossos judeus são negros, pardos, pobres? Os judeus da Alemanha ou da Polônia não eram, mas eram igualmente considerados não-arianos, inferiores, incorrigíveis.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]