São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quarta-feira 16 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.219 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

ALEX SOLNIK | Freire, o ministro arcaico, tem que ser demitido

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos"

17 de Fevereiro de 2017

Ser ou não ser investigado na Lava Jato, ser réu ou não no STF, não pode ser o único critério para um ministro ser demitido.

A cena lamentável e vexatória protagonizada hoje, em São Paulo, pelo ministro da Cultura, Roberto Freire tinha que merecer demissão por justa causa.

Ministro da Cultura não pode agredir publicamente o maior escritor brasileiro vivo tratando-o por "adversário" e não pelo epíteto adequado a um agraciado com o maior galardão da Literatura luso-brasileira, justamente na cerimônia de entrega do Prêmio Camões, com a presença de escritores, poetas e filósofos e do embaixador de Portugal.

Ministro da Cultura que ofende uma das maiores expressões da Cultura brasileira não pode continuar ministro.

O dia era de Raduan Nassar, gênio da raça que com apenas dois títulos – "Lavoura arcaica" e "Um copo de cólera" – graças a um estilo inventado por ele e uma escrita que explora as profundezas da alma humana ocupa um lugar equivalente aos maiores escritores de todos os tempos, não só do Brasil ou de Portugal, mas do mundo.

Em vez de exaltar a qualidade da obra e do autor, Freire ocupou-se em rebater o discurso de Raduan, de conteúdo eminentemente político, mas que em momento algum o agrediu.

"É um adversário recebendo um prêmio de um governo que ele considera ilegítimo" disse Freire, omitindo que o governo brasileiro que o premiou foi o da presidente Dilma, em 2016 e exalando rancor, como a sugerir que ele deveria devolver os 100 mil euros, 50% dos quais bancados pelo governo português e 50% pelo brasileiro.

"Permitimos que o agraciado dissesse o que quisesse e imaginasse" insistiu o ministro na grosseria, sem se dar conta que o verbo "permitir" não se coaduna com o regime democrático, no qual ninguém precisa "permitir" que alguém opine sobre alguma coisa.

Às suas palavras – um explícito atentado à cultura e à civilidade – a plateia respondeu com sonoras vaias, gritos de "Fora Temer" e observações de que o ministro não estava à altura do evento, do poeta Augusto Massi, a quem Freire qualificou de "idiota", outra palavra frequente em seu limitado vocabulário.

Não é a primeira vez em que Roberto Freire dá mostras de descontrole e truculência, como testemunham seus ex-companheiros do PCB, partido que presidiu e depois destruiu, erguendo em seu lugar uma coisa indefinida e amorfa chamada PPS (Partido Popular Socialista), que não é popular e muito menos socialista.

Não é também a primeira vez em que revela seu desconhecimento do que é democracia, como demonstrou com seu comportamento durante o processo de impeachment, aderindo ao grupo golpista liderado por Eduardo Cunha, Michel Temer, Romero Jucá, Aécio Neves, Jair Bolsonaro e outros representantes do obscurantismo.

Ele foi o responsável pelo vexame internacional, totalmente premeditado por ele. Tanto é que inverteu a ordem natural dos discursos, cometendo a descortesia de impedir o premiado de ser o último a falar, como é a praxe em eventos desse tipo.

Elefante em loja de louças, ao se empenhar em desmentir que faça parte de um governo golpista deu um tiro no pé, confirmando a natureza ilegítima de um governo no qual, por consequência, todos os ministros, como ele, também o são.

Demiti-lo é um favor que Temer faria à Cultura, ao seu governo e a todos os brasileiros, já que está decidido a produzir uma agenda positiva.

Livrar-se de um ministro arrogante, inculto e sem noção de decoro seria uma atitude de respeito para com o governo português e para com o poeta Luis Vaz de Camões.


Brasil 247






0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]