São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quinta-feira 17 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.220 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

ALEX SOLNIK | Mais médicos, menos monstros

Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos"

04/02/2017

Ao demitir o neurocirurgião Richam Faissal Ellakis, que apontou em rede social o procedimento que deveria ser feito pelos médicos para a ex-primeira dama Marisa Letícia “abraçar o capeta”, a Unimed deu o primeiro passo, mas não o único que se espera em situações como essa, sem similar no país, diz o colunista Alex Solnik; segundo ele, cabe agora ao Conselho Regional de Medicina tomar imediatas providências, na próxima segunda-feira, para iniciar os procedimentos de cassação de seu registro que certamente terá o apoio da entidade, de todos os médicos e de toda a sociedade


Ao demitir o neurocirurgião Richam Faissal Ellakis, que apontou em rede social o procedimento que deveria ser feito pelos médicos para a ex-primeira dama Marisa Letícia “abraçar o capeta”, a Unimed deu o primeiro passo, mas não o único que se espera em situações como essa, sem similar no país. Não me lembro de outro caso em que uma pessoa doente tenha sido tão vilipendiada e a Medicina tão desonrada.

  Cabe ao Conselho Regional de Medicina tomar imediatas providências, na próxima segunda-feira, para iniciar os procedimentos de cassação de seu registro que certamente terá o apoio da entidade, de todos os médicos e de toda a sociedade.

   O juramento de Hipócrates não pode ser jogado no lixo, a menos que o CRM queira ser desmoralizado e desmoralizar toda a classe médica.

  A seguir, esse cidadão tem que ser processado na Justiça comum.

   É insuportável assistir sem nenhuma reação à escalada de agressões verificada desde o internamento da mulher de Lula no Sírio Libanês, com passeatas e panelaços na frente do hospital e com o compartilhamento, também em redes sociais, de exames da paciente por uma das médicas do Sírio, também demitida e que também deve ser punida pelo CRM e impedida de continuar na profissão.

   Se essa onda fascista não for brecada a tempo outras pessoas do mesmo naipe ficarão à vontade para imitar os gestos e irão usá-los contra outras pessoas que escolherem como alvos.

   O uniforme branco e imaculado não pode ser manchado de sangue por aqueles que jamais deveriam tê-los vestido.

   O Brasil precisa de mais médicos e não de mais monstros.


Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]