São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - sábado 19 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.222 - Visualizações: 17.954.957 - Postagens: 31.406

Recessão de Temer aliada ao golpe para derrubar Dilma quebrou a economia de 12 Estados e do DF


As políticas econômicas desastrosas de Michel Temer, aliadas ao clima de instabilidade e de "quanto pior, melhor" instaurado por forças políticas para viabilizar a derrubada de Dilma Rousseff, derrubaram a economia dos Estados; os dois anos de recessão que o país amargou em 2015 e 2016 fizeram a economia de 12 estados mais o Distrito Federal (DF) retroceder ao patamar do início da década, diz estudo da Tendências Consultoria Integrada; de acordo com as projeções do economista Adriano Pitoli, o Produto Interno Bruto (PIB) de todas as 27 unidades da federação encolheu neste biênio; e, para 13 delas, o tombo foi tão grande que anulou a expansão vivenciada entre 2011 e 2014; ou seja, o PIB desses estados e do DF está hoje de um tamanho menor do que o registrado ao fim de 2010


6 DE FEVEREIRO DE 2017

As políticas econômicas desastrosas de Michel Temer, aliadas ao clima de instabilidade e de "quanto pior, melhor" instaurado por forças políticas para viabilizar a derrubada de Dilma Rousseff, derrubaram a economia dos Estados. Os dois anos de recessão que o país amargou em 2015 e 2016 fizeram a economia de 12 estados mais o Distrito Federal (DF) retroceder ao patamar do início da década, diz estudo da Tendências Consultoria Integrada. De acordo com as projeções do economista Adriano Pitoli, o Produto Interno Bruto (PIB) de todas as 27 unidades da federação encolheu neste biênio. E, para 13 delas —12 Estados e o Distrito Federal—, o tombo foi tão grande que anulou a expansão vivenciada entre 2011 e 2014. Ou seja, o PIB desses estados e do DF está hoje de um tamanho menor do que o registrado ao fim de 2010.

As informações são de reportagem de Daiane Costa em O Globo.

"As perdas mais expressivas ocorreram nos quatro estados do Sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais), no Rio Grande do Sul e Paraná, no Amazonas, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e na Bahia, além do Distrito Federal. Ou seja, o estudo da Tendências mostra que a recessão que atingiu o Brasil foi disseminada, afetando tanto as regiões mais ricas do Sudeste e do Sul, como estados do Nordeste. Os números oficiais dos PIBs estaduais são medidos pelo IBGE, mas os últimos dados disponíveis são de 2014.

O Rio de Janeiro, cujo PIB encolheu 7,2% em dois anos, de acordo com o estudo, tem um dilema ainda maior, devido à crise de suas contas públicas e ao que o economista classifica como um legado perverso deixado pelos Jogos Olímpicos.

Amazonas e São Paulo, dois estados bastante industrializados, e portanto mais sensíveis aos ciclos econômicos, tendem a ter uma recuperação mais acentuada assim que a economia do país voltar a crescer, preveem analistas. Marcelo Souza, superintendente adjunto de Planejamento da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), polo industrial responsável por 92% da receita do estado do Amazonas, diz que a recessão levou o complexo a demitir 30 mil pessoas."


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]