São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - segunda-feira 24 de abril de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.107 - Visitas: 15.367.611 - Postagens: 30.871

A tese pilantra de que há um Caixa 2 do ‘bem’ e outro do ‘mal’

Dupla afinada

Por Paulo Nogueira | 16/03/2017

O esforço que os golpistas fazem para se desmoralizar com atitudes ridículas é insano. Quando você acha que o limite já chegou, sempre aparecem coisas novas.
Esta questão do Caixa 2, por exemplo.
Enquanto as acusações e as denúncias se restringiam ao PT, o Caixa 2 era uma coisa. Era prova inequívoca de corrupção, de ladroeira etc etc.
Agora que as denúncias alcançam Serra, Aécio e gente do gênero, já não é bem assim.
Há um Caixa 2 do bem e há um Caixa 2 do mal. Isto é, pelo menos, o que a direita plutocrata quer fazer que a sociedade engula. E aqui tenho que invocar, mais uma vez, Wellington: quem acredita nisso acredita em tudo.
Até algum tempo atrás, FHC, com seu moralismo professoral e cínico, investia contra o Caixa 2. Confiante na falta de memória das pessoas, ele passou agora a distinguir entre as alegadas duas modalidades de Caixa 2.
Uma seria destinada a financiar campanhas, pura e simplesmente. A outra seria para o enriquecimento dos beneficiados.
No mundo dos sonhos dos golpistas, no fim das contas teríamos dois tipos: o Caixa 2 do PT, criminoso, sujo, maligno. E o Caixa 2 dos demais, um dinheiro límpido, perfumado.
Mas, de volta à vida real, como você distingue as duas coisas? Os 23 milhões de Serra no exterior, por exemplo: como você pode saber se todo aquele dinheiro foi utilizado em campanha ou se parte dele foi desviada para fins pessoais?
As doações a Aécio na campanha de 2014: foram porque o Mineirinho é um cara legal ou porque, no caso de vitória dele, os doadores enxergavam boas perspectivas de lucrar com o que tinham dado?
A Justiça parece ávida por comprar a estranha tese da dupla personalidade do Caixa 2, o que não surpreende. O primeiro da fila é, evidentemente, Gilmar. Temos, de acordo com ele, que “desmistificar” o Caixa 2.
Por desmistificar, entendamos: temos que livrar a cara dos nossos amigos e ferrar os inimigos.
O brasileiro teria que ser muito inocente, muito crédulo para comprar essa ideia estapafúrdia, oportuna e hipócrita.
Mas talvez nossa desigualdade derive mesmo disso: de sermos crédulos, inocentes — perfeitos para ser levados no papo.

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]