São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - terça-feira 22 de agosto de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.225 - Visualizações: 17.977.957 - Postagens: 31.406

Mineirinho e Careca já caíram. Falta o Santo


Começa a se tornar desesperadora a situação do PSDB para a disputa presidencial de 2018; neste domingo, o senador José Serra (PSDB-SP), o "Careca" da Odebrecht, voltou a ser acusado de receber propinas na Suíça, juntando-se ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), o "Mineirinho", que já era o político mais delatado na Lava Jato; o único que ainda não levou uma bala de canhão foi o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que é apontado como o "Santo", mas, aparentemente, em condutas menos graves do que as de seus adversários na luta interna; para completar o quadro, o primeiro Datafolha sobre o prefeito João Doria não foi muito animador para suas pretensões presidenciais: 43% dos paulistanos não votariam nele de jeito nenhum

9 DE ABRIL DE 2017

Até recentemente o PSDB se vangloriava de ter três grandes nomes para a disputa presidencial de 2018: o governador Geraldo Alckmin, de São Paulo, e os senadores José Serra (PSDB-SP) e Aécio Neves (PSDB-SP).

Com as delações da Odebrecht, o trio se converteu em "Santo", "Careca" e "Mineirinho", nomes usados pelos delatores para identificá-los.

Neste domingo, a bala de canhão estourou no peito do Careca, que teria recebido R$ 5,4 milhões na Suíça, além dos R$ 23 milhões depositados no mesmo país em sua campanha presidencial de 2010 (leia aqui).

Serra, portanto, é carta fora do baralho, assim como Aécio, o político brasileiro mais delatado na Lava Jato, que já foi citado em esquemas em Furnas, na Cidade Administrativa, no Banco Rural, em todos as empreiteiras, mas que, inexplicavelmente, conseguiu tomar o poder, em parceria com Michel Temer e Eduardo Cunha, por meio do golpe parlamentar de 2016.

Restariam, portanto, dois nomes para o PSDB: Geraldo Alckmin e João Doria Júnior, criador e criatura. O primeiro é apontado como o "Santo" nas planilhas da Odebrecht, mas, aparentemente, em condutas menos graves do que as de seus adversários na luta interna do PSDB. Sobre Doria, o primeiro Datafolha sobre o prefeito não foi muito animador para suas pretensões presidenciais: 43% dos paulistanos não votariam nele de jeito nenhum.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]