São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - segunda-feira 24 de abril de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.107 - Visitas: 15.367.611 - Postagens: 30.871

TEREZA CRUVINEL | TSE deixou claro: é para inglês ver

Colunista do 247, Tereza Cruvinel é uma das mais respeitadas jornalistas políticas do País

"Se alguém tinha ilusões com o julgamento da chapa Dilma-Temer pelo TSE, é bom ir enfiando a viola no saco. A sessão de abertura do julgamento deixou claro como será o jogo: com prazos, recursos e procrastinações, o julgamento vai terminar quando Temer não for mais presidente", diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel; "O TSE continua tendo pela frente um dilema. Atuar de modo a revalorizar a crença na Justiça ou fazer mais do mesmo e do de sempre. Os sinais estão claros: este julgamento é para inglês ver, para fazer de conta que o país é sério mas, por ora, não convenceu ingleses nem outros estrangeiros. Talvez um clamor muito grande por um basta, vindo de todo o Brasil, seja ouvido pelos juízes de Brasília"

05/04/2017

Se alguém tinha ilusões com o julgamento da chapa Dilma-Temer pelo TSE, é bom ir enfiando a viola no saco. A sessão de abertura do julgamento deixou claro como será o jogo: com prazos, recursos e procrastinações, o julgamento vai terminar quando Temer não for mais presidente. Ou quando faltar tão pouco tempo para a eleição presidencial que os ministros poderão dizer candidamente: para o bem do país, que fique tudo como está. 

No caso de ontem, faça-se justiça ao ministro-relator. Ele resistiu o quanto pôde a conceder mais prazo para as alegações da defesa. Pressionado, e temendo que os advogados de Dilma e Temer recorressem ao STF, conseguindo ordem para o reinício do julgamento quando já estivesse adiantado, cedeu. Os outros, estão no jogo de esticar o tempo. O jogo de Temer, que ontem festejou com sua turma.

Não há nada mais desanimador para os cidadãos do que mais uma demonstração de que a justiça é mãe para uns, madrasta  para outros. Que quando quer, a Justiça empurra com a barriga para permitir que alguns escapem da punição. O TSE continua tendo pela frente um dilema. Atuar de modo a revalorizar a crença na Justiça ou fazer mais do mesmo e do de sempre. Os sinais estão claros: este julgamento é para inglês ver, para fazer de conta que o país é sério mas, por ora,  não convenceu ingleses nem outros estrangeiros. Os jornais de vários países foram muito mais enfáticos que os brasileiros ao destacar a impropriedade de um julgamento presidido por Gilmar Mendes, um amigo de Temer.

Ironicamente, a defesa de Dilma, pelo menos neste primeiro momento, somou forças com a defesa de Temer. É compreensível que a presidente deposta queira refutar acusações que considera injustas e infundadas e queira também demonstrar que Temer foi sócio da chapa em todos os sentidos, inclusive na arrecadação e nos gastos. Logo, tem tudo a ver com tudo. No curso do julgamento, entretanto, se a defesa de Dilma mantiver a opção pela delonga, semeará a suspeita de que a oposição também prefere que Temer fique no cargo até 2018, sem saber o que fazer com o Brasil, porque isso criaria um cenário mais favorável à vitória de Lula ou de outro candidato de oposição. O Brasil não merece. O Brasil talvez nem resista a mais um ano e sete meses de desgoverno e desconstrução.

Talvez um clamor muito grande por um basta, vindo de todo o Brasil, seja ouvido pelos juízes de Brasília.


Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]