São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - sábado 23 de setembro de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.256 - Visualizações: 18.447.852 - Postagens: 32.052

A Lava Jato comandada por Sérgio Moro virou uma autêntica suruba



13 de maio de 2017 | por Esmael Moraes

A informação de que parentes de procuradores do Ministério Público estão representando réus em delações premiadas, na Lava Jato, é uma inequívoca prova de que a força-tarefa comandada pelo juiz Sérgio Moro virou uma suruba.

A penúltima diz respeito à defesa do publicitário João Santana que está sendo feita por Rodrigo Castor de Mattos, advogado criminalista e irmão do procurador Diogo Castor de Mattos, membro da força-tarefa da Operação Lava Jato.

Não se trata só de parentes de integrantes do MPF, mas a filha do próprio procurador-geral da República Rodrigo Janot também atua na defesa de empreiteira OAS envolvida na Lava Jato. É como a fábula do peixe, que começa apodrecer pela cabeça.

A mulher do ministro do STF Gilmar Mendes, igualmente, trabalha num escritório que defendeu — e tirou da cadeia — o empresário Eike Batista que estava preso em virtude da Lava Jato.

Recentemente, o jornalista Luís Nassif denunciou uma relação suspeita entre integrantes da Lava Jato, incluindo advogados do Paraná, na indústria das delações premiadas na Lava Jato.

O caríssimo leitor já percebeu que a indústria da delação premiada é uma verdadeira suruba nacional que deixa até Romero Jucá, o “Caju” nas planilhas da Odebrecht, corado de vergonha…

A Lava Jato virou uma suruba — reserva de mercado para alguns escritórios de advocacia — faz tempo. Só não vê quem não quer.

Portanto, saem os tradicionais criminalistas para a entrada dos lobistas no milionário esquema das delações premiadas.

Bem-vindo ao capitalismo, camarada!


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]