São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - segunda-feira 25 de setembro de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.258 - Visualizações: 18.447.852 - Postagens: 32.052

Deputado golpista Tiririca é acusado de assédio sexual por ex-funcionária


05/07/2017

O deputado federal Tiririca é acusado de assédio sexual contra uma ex-funcionária, identificada como Maria Lúcia Gonçalves Freitas de Lima, 41. Por causa do foro privilegiado, o processo foi enviado ao Supremo Tribunal Federal, no último dia 20 de junho, sendo distribuído ao ministro Celso de Mello. A mulher registrou a ocorrência na 10ª Delegacia de Polícia de Brasília; Tiririca e a esposa contestaram com queixa policial, alegando tentativa de extorsão por parte da doméstica, que teria cobrado R$ 100 mil do casal.

Maria Lúcia foi contratada no dia 1º de março de 2016, sendo demitida em 29 de junho, sem justa causa e com aviso prévio, conforme os autos. Ela prestou depoimento na 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul), em Brasília. Ao O POVO Online, os policiais da unidade não passaram informações sobre o caso.

De acordo com o jornal Extra, Maria Lúcia viajou com a família do deputado federal duas vezes. Na primeira ocasião, no dia 24 de maio, Tiririca teria retornado de entrevista no Programa do Jô com "odor etílico" e teria agarrado a doméstica. O deputado, de acordo com a denúncia, teria dito que faria sexo anal e vaginal com a funcionária e teria desabotoado as calças.

O assédio teria sido presenciado pela mulher de Tiririca, assessores do político e pela filha do casal, de 8 anos. Nos autos, consta que a criança defendeu a doméstica, empurrando o pai, que teria sido levado de lá para a cama, enquanto todos riam. Dois dias depois, a família viajou ao sítio do parlamentar na capital cearense.

Os assédios teriam continuado no local, conforme a doméstica, toda vez que o parlamentar a via. Há relatos de que Tiririca teria pegado nos cabelos e na nádegas da mulher e teria dito: "se experimentar, vai gostar”. Maria Lúcia também alegou que o parlamentar mergulhou na água com o celular dela, no qual ela teria gravado o deputado falando “besteiras” para ela. Ela ainda disse que foi chantageada com garantia de emprego para ter relações sexuais com o patrão.

No sítio em Fortaleza, a doméstica contou que foi procurada pela esposa do deputado, Nana Magalhães, que teria defendido o marido. A patroa teria dito que ele agia assim por gostar da funcionária. A autora da queixa de assédio relatou se sentir ofendida e “menos valorizada que um cachorro".

Na contestação, o advogado do casal, Fernando de Carvalho e Albuquerque, alegou que a doméstica tentava usa o estereótipo do personagem de Tiririca para lhe atribuir os mesmos comportamentos, às vezes chulos, em sua vida pessoal e privada.

"Não se pode conceber um preconceito em relação à atividade artística (...) No palco o 2 Reclamado interpreta um palhaço com linguajar coloquial, e por vezes, com vocabulário chulo. Isso não significa que o 2 Reclamado traga para sua vida pessoal o comportamento do personagem que interpreta", aponta trecho do advogado divulgado pelo Extra.

Processo

O ministro Celso de Mello ordenou que a etiqueta dos autos fosse mudada de "crime contra o patrimônio/extorsão" para "crime contra a liberdade sexual". A assessoria de imprensa do deputado foi procurada na manhã desta terça-feira, 4, e informou que deve se posicionar em breve.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]