São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quarta-feira 18 de outubro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.288 - Visualizações: 18.935.765 - Postagens: 32.192

CHICO VIGILANTE | Os patos atiraram na própria pata

Deputado distrital e presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Legislativa do DF

12 de Agosto de 2017

O mês de agosto tem sido amargo como o fel para o Brasil e os brasileiros.

O 31 de agosto de 2016 tirou do poder ilegalmente uma presidenta eleita com 54 milhões de votos. Perda para a democracia, para as esquerdas, para o Brasil e a América Latina.

Hoje, 12 de agosto de 2017, a mídia anuncia que a equipe econômica de Temer prepara o congelamento dos salários dos servidores públicos em 2018. Perda e decepção para muitos deles que foram as ruas apoiar o impeachment de Dilma Rousseff.



Todas as categorias serão atingidas com cortes de reposição de inflação nos salários e muitas com corte de aumentos parcelados concedidos anteriormente pelo governo Dilma.

Temer vai garfar o dinheiro destes acordos e deixar os servidores sem ajustes não apenas no futuro mas também sem os ajustes conquistados no passado a serem pagos nos próximos anos.

Alguns sentirão isso mais fortemente como militares, diplomatas, oficiais de chancelaria, professores, policiais federais, auditores da receita federal, peritos do INSS, carreiras jurídicas, entre outras.

Novos servidores que eventualmente ingressem no serviço público não poderão ter salários superiores a R$5 mil.

A alegação é que com isso o governo vai economizar R$ 9 bilhões, quando o golpista Temer gastou R$ 14 bilhões para comprar os deputados que votaram a favor de livrar sua cara junto ao STF.

O congelamento vai atingir além de servidores da União e do DF, também servidores de estados e municípios, ou seja, serão atingidos nacionalmente. Isso trava ainda mais a economia, porque se ninguém tem dinheiro para comprar, as indústrias terão que produzir menos, o comércio fechará portas, a agricultura terá menos mercado para a venda de alimentos. A crise será maior.

Temer diz que zerou a inflação no Brasil, que o país voltou a crescer e que ele está tomando medidas para conter o déficit fiscal. Mentira. Não apenas ser

Inflação se mede no preço dos alimentos e estes não baixaram. Uma caixa com 60 ovos custava aqui na Ceilândia ondo moro, R$16 reais no ano passado. Hoje, fui comprar e está R$ 24,00. Ou seja, um aumento de 50% no preço de um alimento básico da mesa do brasileiro.

Alguém deixou de criar galinhas? Não. Houve doenças nas galinhas? Não. Mas Temer em sua loucura diabólica aumentou o preço dos combustíveis. Disseram que foi 11% mas é mentira. Na verdade o aumento ficou em torno de 30% por litro. Qualquer consumidor sabe disso.

Portanto, hoje dou os meus pêsames aqueles que fantasiados de patos foram às ruas apoiar o golpe, e ajudaram, inocentemente ou premeditadamente, a prejudicar os que trabalham para o Estado em funções de interesse de toda a sociedade.

O discurso imbecil de Estado mínimo como salvação da pátria para quem trabalha no serviço público foi um tiro no pé. Chegou bem antes do que seus defensores esperavam.

A única saída é ocupar ruas, praças, igrejas, universidades, teatros, campos de futebol, o povo brasileiro unido numa só voz: chega de reformas que só prejudicam o trabalhador; chega de bandidos no Congresso Nacional e no Planalto; fora Temer e sua quadrilha; convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, Parlamentarismo não, Diretas Já.

Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]