São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - segunda-feira 25 de setembro de 2017 - Ano: IX - Edição: 3.258 - Visualizações: 18.447.852 - Postagens: 32.052

DAVIS SENA FILHO | Justiça e MPF chancelam o golpe, marcam posição na luta de classe, perseguem Lula e envergonham o Brasil

Davis Sena Filho é editor do blog Palavra Livre

18 de Agosto de 2017

O Judiciário, a Justiça e o MPF envergonham o Brasil e os brasileiros, porque, indubitavelmente, foram ocupados por coxinhas de salários altíssimos e totalmente distantes das questões nacionais e dos interesses do povo brasileiro, que é composto por imensa maioria pobre e remediada.

Quando vejo juízes, procuradores, delegados de polícia, tanto masculinos e femininos, a se comportarem por intermédio de suas declarações ao vivo, nas mídias dos empresários bilionários ou em suas redes sociais, penso logo e afirmo: "pobre do país e do povo que tem em seus quadros do Judiciário e do MPF coxinhas sem a mínima noção de nacionalidade e de entendimento de soberania nacional".

E não se trata apenas disso, porque se observa também as práticas nada republicanas desses servidores públicos, que fazem do Estado um meio de vida de suas famílias, sendo que muitos indivíduos do poder togado são de famílias que há décadas consecutivas transformaram o Judiciário em capitania hereditária, de forma que o comportamento e o pensamento desses servidores ricos e abastados é completamente elitista, sectário, racista, misógino e, evidentemente, ideologicamente de direita.


Quero dizer com isso que o Judiciário, a Justiça e o MPF são um ranço que deveria sofrer radical e profunda reforma, porque o que se percebe, nitidamente e claramente, é que os juízes, procuradores e delegados estão envolvidos até os últimos fios de cabelo ou até as medulas com mais um golpe de estado que aconteceu nesta republiqueta terceiro-mundista, cucaracha e bananeira, onde uma minoria branca e provinciana, estupidamente feroz e egoísta toma para si o Estado e faz o que quer e deseja com o dinheiro público pago pelo contribuinte e o trabalhador brasileiros.

 Dito isto, observo ainda que a perseguição ao ex-presidente Lula é vergonhosa, além de covarde, sendo que a maioria dos membros do Judiciário, indelevelmente de mentalidade pequeno-burguesa, parece-me ter perdido de vez a vergonha na cara, se algum dia tal poder a teve, porque as ações persecutórias cometidas há anos contra o líder trabalhista e de esquerda é, sem sombra de dúvida, uma realidade sórdida, infame e atroz, pois injusta por total ausência de provas, que certamente constará, ipsis litteris, nas páginas da história.

A história que não mais será somente contada pelos historiadores acadêmicos vinculados aos grupos sociais hegemônicos, que têm lado e controlam, inclusive, a indústria da publicação e, com efeito, efetivam a censura, sempre a dificultar a disseminação das realidades e do pensamento das lideranças políticas e históricas do campo político e social de origem popular.

Contudo, depois do advento da internet, os historiadores vinculados à burguesia, bem como os jornalistas da imprensa de mercado, não contarão mais suas histórias sozinhos, pois não mais falarão sozinhos sem serem questionados, como acontece, por exemplo, com o subterfúgio das "pedaladas" repleto de má-fé e mau-caratismo usado pela direita golpistas, para levar uma presidente constitucional e legítima à deposição e, consequentemente, tomar o poder de assalto por meio de mais um golpe terceiro-mundista, organizado por uma quadrilha que está neste momento a demolir o Brasil. Até que ponto a Justiça burguesa, de terceiro mundo e comensal da casa grande deste País continuará cega?!

A verdade é que se trata de um golpe de estado, cuja base para toda cafajestada ocorrida é o próprio Judiciário, que conspirou pois aquiesceu, sendo, portanto, um dos principais partícipes do golpe bananeiro, que tem por finalidade entregar o País, destruir o pequeno estado de bem-estar social, extinguir programas de inclusão social e transferir o Orçamento da União e o dinheiro de inúmeros investimentos do povo brasileiro para a bocarra voraz dos bancos e das "elites" nacionais e estrangeiras. Por isto e por causa disto tudo, sem sombra de dúvida, o Judiciário brasileiro é uma incomensurável, indescritível e inenarrável vergonha e insulto ao povo e trabalhador brasileiro.

A Justiça de retaliação, mesquinha e vulgar. A Justiça que se politizou e criminalizou a política, além de intervir vergonhosamente no processo democrático, a mandar para o espaço o Estado Democrático de Direito, pois cúmplice do vilipêndio à Constituição Cidadã de 1988, que consagra a cidadania e os direitos sociais e civis, para o ódio e rancor da casa grande, a quem muitos juízes, procuradores e delegados servem, a fazerem os tristes papéis de capitães do mato das oligarquias nacionais e da plutocracia internacional.

Este é, irrefragavelmente, o retrato da Justiça deste País azarado, porque nele viceja a pior burguesia do mundo ocidental, antinacionalista, antidemocrática e antipopular, que, colonizada e ignorante, odeia e despreza seu próprio País, a apoiar, sem vacilar, a destruição da economia brasileira, assim como não se importa, de modo algum, com sua autonomia e independência, o que significa abrir mão da soberania do Brasil, que, mais uma vez, torna-se um País insignificante e desconsiderado pela comunidade internacional, pois praticamente obrigado a orbitar no círculo de influência dos Estados Unidos.

Desta forma, o Brasil, mediocremente, afasta-se de vez de sua liderança regional e passa a ser tratado como uma republiqueta bananeira nos Brics, no G-20, no Mercosul, na Unasul, na OEA, na ONU e em todos os fóruns internacionais. *mi-shel temer — o traiçoeiro usurpador — é tratado pelas lideranças mundiais como um pária ou o bastardo do povo, pois se trata apenas de um golpista desprovido de votos e fantoche da "elite" cucaracha, que está a fazer o trabalho sujo, a mando dos banqueiros e da plutocracia internacional. O ilegítimo *temer é uma verdadeira peste, e tem, irremediavelmente, vocação para o fracasso e a iniquidade. Colocar *mi-shel temer na presidência do País é como colocar um predador dentro de sua casa. Sem mais delongas. Ponto.

 Ninguém o leva a sério, se algum dia alguém o levou. Porém, é inquestionável que os golpistas irresponsáveis do Grupo Globo e assemelhados estão profundamente arrependidos por terem apoiado um patife e chefe de quadrilha da pior espécie, que a burguesia brasileira ousou produzir, com a cumplicidade e a aquiescência dos juízes e procuradores pequeno-burgueses, que provam e comprovam que, a despeito de terem estudado Direito, não possuem a menor compreensão sobre o que é presidencialismo de coalizão ou um projeto de independência e soberania de país.

Não sabem e não querem saber, porque a verdade é que são sujeitos togados de mentalidades pequenas, a se preocupar com seus interesses pecuniários e suas vidinhas de classe média alta, que não podem, de forma alguma, serem incomodadas com a presença de pobretões, que subiram um degrauzinho na escala social e passaram a comprar passagem de avião, comprar a linha branca domética ou a frequentar, de vez em quando, o shopping onde os filhos da pequena burguesia comem hamburguers e vão ao cinema com pacotes e copos gigantes de pipocas e refrigerantes, a sonhar com Miami e Orlando, e, quiçá, visitar o Mickey para dar uma de Pateta!

Dou como exemplo da desfaçatez e perseguição a Lula, o juiz Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara do Distrito Federal, ao conceder liminar para suspender a posse do ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil. O togado de direita e com vocação para coxinha fez campanha pelas redes sociais para que Dilma Rousseff, eleita com 54,5 milhões de votos pela maioria dos eleitores brasileiros, fosse deposta.

A argumentação do "genial" juiz golpista de primeira instância para apoiar o crime de golpe de estado é curiosa para não dizer surreal. O magistrado afirmou em redes sociais, bem ao estilo coxinha analfabeto político funcional e consumista, branco e miameiro, que se a mandatária legítima e constitucional caísse, o dólar também cairia e, com efeito, ficaria mais barato. É verdade! Ele disse isto, incrivelmente...

E não parou por aí. Continuou com sua irresponsabilidade, mesmo a ser juiz em atividade e que, logo depois, cooperou para impedir que o Lula assumisse a Casa Civil, a recrudescer propositalmente a crise política, como o fez o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, quando mandou liberar os áudios das conversas entre Lula e Dilma, a causar, irresponsavelmente, comoção popular. Ou seja, Catta Preta, comprovadamente, aproveitou-se de seu cargo público com salários altos e pagos regiamente pelo contribuinte para fazer, efetivamente, política, bem como combater o lado do campo ideológico que, certamente, ele não vota, porque, nitidamente, um juiz de direita.

Catta Preta, como inúmeros juízes, procuradores e delegados da PF, participaram pessoalmente e pelas redes sociais de eventos golpistas e repercutiram palavras de ordem contra o PT, os presidentes Lula e Dilma e os governos trabalhistas, no decorrer da crise política e das manifestações promovidas pela direita e pela extrema direita, a terem os MBL, os Revoltados Online e o Vem Pra Rua como promotores essenciais para que o golpe criminoso, covarde e cucaracha vencesse e, posteriormente, destruísse a economia e a democracia do Brasil e envergonhasse os brasileiros perante a comunidade internacional, que trata este País como um lugar ocupado por macaquitos brancos e bananeiros, cujas burguesia e pequena-burguesia são analfabetas políticas, entreguistas e colonizadas, bem como portadoras de um gigantesco e intangível complexo de vira-lata.

Os coxinhas de togas e meganhas perderam, definitivamente, a modéstia; e, no Brasil desmoralizado e humilhado de hoje, consideram-se os heróis ou as feras do balacobaco. Só que não! E digo por quê. Quando o Judiciário, a Justiça, o MPF e a polícia interferem em qualquer democracia e interditam o processo político, é sinal que está a acontecer uma ditadura contra o Estado Democrático de Direito e das piores, porque quem se sentir lesado ou prejudicado, perseguido ou agredido em seus direitos civis, não há para onde recorrer.

Quando gente que se veste de preto, totalmente desprovida da legitimidade e autoridade do voto popular para governar e passa a considerar que sua aprovação em concurso público é o suficiente para interferir no direito do governante eleito pelo povo governar, é sinal de que tal sociedade e país estão em um processo ditatorial dos mais terríveis e violentos, que geralmente tem por trás desse processo casuístico e perigoso para os direitos da população e da cidadania as grandes oligarquias, que formam, em âmbito mundial, a plutocracia que domina a economia e as diretrizes diplomáticas do país vilipendiado por um golpe do Estado, como ocorre no Brasil.

 Catta Preta é apenas um exemplo dos incontáveis exemplos que aconteceram no Brasil no âmbito do Judiciário. Inúmeros juízes, delegados e procuradores resolveram fazer política contra o PT, seus aliados e líderes, a exemplo de Lula, Dilma, Zé Dirceu e Genoíno. Por sua vez, jamais atacaram o PSDB e o DEM, que são a mesma face da mesma moeda, assim como permitem, a exemplo do STF, que um ladrão e hoje presidiário aceitasse o pedido de impeachment (golpe) contra a presidente honesta e que não roubou, que é Dilma Rousseff. Agora o próprio Judiciário e o MPF estão a protelar, de forma vergonhosa, as delações do ex-deputado Eduardo Cunha e do doleiro Lúcio Funaro, que são verdadeiras bombas contra o PMDB, o PSDB, o DEM e o desgoverno do golpista e usurpador *mi-shell temer.

Quando o Judiciário, MPF e a PF deixam de ser republicanos é sinal de que esses poderes e corporações tomaram partido e, se tem lado, suas ações serão partidarizadas. Não tem jeito, porque não há outro caminho. E é isto o que acontece no Brasil e ninguém faz nada para coibir de fazer com que tais servidores se coloquem em seus lugares devidos, de acordo com a Constituição e seus regulamentos e regimentos internos. Ponto. Se lambuzaram com o melado do poder, que se baseia na mentira sobre a realidade e a distorção dos fatos e dos acontecimentos, a exemplo da Lava Jato.

A força tarefa de Curitiba é uma ferramenta ou instrumento de combate político, ideologicamente de direita e, no decorrer do tempo, seus objetivos de combate ao crime de corrupção se extraviaram, porque passou a ser uma tribuna de togados e meganhas que se tornaram políticos, a despeito das prisões de corruptos e da transparência no que concerne a apontá-los para o público.

Contudo, sabe-se também das covardias e perseguições perpetradas pela Lava Jato e seus "intocáveis", que um dia terão de ser "tocáveis" para responder pelos abusos de poder, perseguições e prisões ilegais, dentre muitos outros crimes, como liberar à imprensa de mercado mais corrupta do mundo ocidental gravações e processos em segredo de justiça, além de grampos contra a presidente Dilma e os advogados de Lula, sem também esquecer de lembrar que o líder máximo do PT está a ser punido, inclusive com prisão em primeira instância, sem ter sido nada comprovado contra o ex-presidente trabalhista, mesmo após 73 pessoas afirmarem ao juiz Moro, do PSDB do Paraná, que nunca souberam ou viram o Lula se envolver com ações ilegais e criminosas.

Em todos os processos que o Lula responde, não existe uma única prova contra o político de esquerda, que lidera todas as pesquisas eleitorais e, consequentemente, é o favorito para vencer as eleições presidenciais de 2018, o que, indubitavelmente, apavora a direita, inclusive a direita de toga e de alma golpista, que está a governar o Brasil no lugar da presidente Dilma, a confirmar que a Justiça e o MPF se resumiram ao papel de capatazes das oligarquias inquilinas da casa grande. Basta-nos olharmos para o juiz Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso e seus aliados do STF, do Congresso e do Palácio do Planalto para confirmarmos que o Judiciário tem lado, partido, cor ideológica e classe social.

Para finalizar sobre as ações pontuais e direcionadas por parte de togados e meganhas, ainda dou como exemplo as duas últimas ações recentes do MPF e da Justiça, pois emblemáticas, além de dar ponto final a este texto, no que concerne à participação de juízes e procuradores como pontas de lança do combate político contra a esquerda e os movimentos sociais de origens populares, razões pelas quais tais servidores públicos de classe média e média alta, que se consideram parte das "elites" brasileiras, têm raiva, rancor, desprezo e um profundo sentimento de classe, que se baseiam em preconceitos aprendidos por toda a vida, em seus grupos sociais e junto a seus familiares.

A primeira ação aconteceu por meio de Ministério Público e faz referência a uma interdição movida por procuradores contra a cessão de um terreno municipal no centro da cidade de São Paulo. No terreno, seria construído um museu, que teria documentos, imagens e objetos, que reconstituiriam a construção do País a partir da instituição da República, como se fosse um memorial à democracia.

Os procuradores completamente politizados, partidarizados, arbitrários e a fazer a má política sem parar, consideraram, a seus bel-prazeres, talvez porque se consideram os gênios da raça tupiniquim, proibiram a cessão do terreno e, pode acreditar cara pálida, afirmaram estupidamente que o museu serviria para a divulgação da imagem de Lula. Ponto. Além do governar no lugar do Executivo, cujas autoridades são eleitas pelo povo, os procuradores também decidem sobre museus e seus acervos a serem apresentados ao público. Não é coisa de procurador coxinha da Banânia de terceiro mundo? Sem mais comentários...

Outro abuso de poder e exemplo de arrogância e prepotência, que expõe a imbecilidade a que pode chegar a Justiça é quanto à proibição por parte de um juiz de primeira instância de o presidente Lula, candidato favorito às eleições de 2018, receber da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) o título de Doutor Honoris Causa. Isto mesmo. Um vereadorzinho mequetrefe e provinciano do DEM, o pior partido do mundo e herdeiro legítimo da UDN, da Arena, do PDS e do PFL, entrou com um pedido na Justiça para que o Lula não fosse homenageado. Logo o Lula, o presidente que mais criou universidades e escolas técnicas na história do Brasil. O político que mais incluiu negros e pobres nas universidades e faculdades públicas e privadas na história deste País. Enfim, a liminar estúpida e movida a insensatez, perversidade, preconceito e burrice foi cassada para o bem da inteligência humana e das pessoas de boa vontade.

 "Esse título não é meu, é de cada negro e negra que se formaram em uma universidade. Um pouco do sucesso da política e do acerto econômico é você ter consciência política de que lado você está" — disse Lula, para logo complementar: "Se os políticos que têm diplomas não sabem governar, talvez seja necessário um torneiro mecânico voltar a governar" — concluiu. Lula não roubou.

A direita sabe disso. Os procuradores da Lava Jato e o juiz Sérgio Moro sabem disso. Todo mundo sabe disso. Até os mais despolitizados e tresloucados coxinhas de classe média e batedores de panelas de barrigas cheias sabem disso. A Justiça, o Judiciário e o MPF são de direita e pertencem aos ricos e fazem política para favorecer o status quo. Eles estão diretamente envolvidos com o golpe. Eles são o golpe. Justiça e MPF chancelam o golpe, marcam posição na luta de classe, perseguem Lula e envergonham o Brasil. É isso aí.

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]