São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quinta-feira 19 de outubro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.289 - Visualizações: 18.935.765 - Postagens: 32.192

Advogado de Palocci denuncia: seu cliente foi torturado pela Lava Jato para que aceitasse delação


Por Miguel do Rosário | 02/10/2017

O caso Palocci é um exemplo gritante da ditadura judicial imposta pela Lava Jato. Os procuradores “exigiram” que Palocci trocasse de advogado. O novo defensor de Palocci é Adriano Bretas.

Bretas é um dos queridinhos de Curitiba. Tem sido chamado para dar palestras e escrever artigos sobre delação premiada, nas quais elogia Sergio Moro e as prisões preventivas.

Foi também responsável pelas costuras feitas entre figuras como Delcídio do Amaral e Alberto Youssef e os procuradores da Lava Jato. Tem feito a mesma coisa, no momento, para Renato Duque.

O uso dos mesmos advogados para vários delatores é uma prática antiga da Lava Jato. Ela permite que vários delatores combinem a mesma narrativa, naturalmente aquela que interessa aos procuradores.

Por isso mesmo, este é um ponto que deveria ser regulamentado no código do processo penal. Um réu que optasse pela delação premiada jamais poderia usar o mesmo advogado de outro réu que também fizesse delação. Justamente para evitar qualquer tipo de combinação.

Combinar delações é uma maneira de dar “ares de veracidade” a uma mentira.

Não foi só isso. Os procuradores também condicionaram a própria liberdade de Palocci à sua desistência de pedir habeas corpus junto ao STF. Os procuradores temem uma outra “derrota” da Lava Jato no plenário do STF, que poderá decidir que o ex-ministro tem direito a aguardar o seu julgamento em liberdade.


Sergio Moro enviou, há alguns dias, um ofício ao STF pedindo ao ministro Fachin que não dê liberdade provisória a Palocci. A liberdade destrói a estratégia da operação, que é inteiramente baseada na chantagem prisional: delação ou as masmorras da Globo em Curitiba.

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]