São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - sexta-feira 24 de novembro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.325 - Visualizações: 19.422.689 - Postagens: 32.192

ALEX SOLNIK | O que fazem com Cabral não se fazia na ditadura

"Não me conformo com as medidas que o juiz Marcelo Betas determinou ao transferir o ex-governador Sérgio Cabral para um presídio federal de segurança máxima no Mato Grosso do Sul. Muito menos com o silêncio da imprensa, dos políticos, dos advogados, dos magistrados, enfim, de todos aqueles que deveriam estar indignados, mas entendem o fato como normal", diz o colunista Alex Solnik; "Trata-se de alguma coisa semelhante a degredo, o que não se via no Brasil desde que os generais mandaram, em 1968, o ex-presidente Jânio Quadros passar 120 dias 'isolado', no duplex 606, do Hotel Santa Mônica, no centro de Corumbá, por ter feito críticas ao regime militar", lembra o jornalista


Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos"

30 de Outubro de 2017

Não me conformo com as medidas que o juiz Marcelo Bretas determinou ao transferir o ex-governador Sérgio Cabral para um presídio federal de segurança máxima no Mato Grosso do Sul.

   Muito menos com o silêncio da imprensa, dos políticos, dos advogados, dos magistrados, enfim, de todos aqueles que deveriam estar indignados, mas entendem o fato como normal.

   Não é.

   Trata-se de alguma coisa semelhante a degredo, o que não se via no Brasil desde que os generais mandaram, em 1968, o ex-presidente Jânio Quadros passar 120 dias “isolado”, no duplex 606, do Hotel Santa Mônica, no centro de Corumbá, por ter feito críticas ao regime militar.

   Cabral ficará – não se sabe por quanto tempo – num cubículo de seis metros quadrados, por ter feito críticas a um juiz.

   O episódio abre um precedente gravíssimo: iguala os políticos presos na Lava Jato a chefes de organizações criminosas como o PCC que têm nas costas uma coleção de homicídios e barbaridades incontáveis e indescritíveis e comandam operações de dentro das celas.

   O que ocorreu com Cabral pode ocorrer, daqui em diante, com todos na mesma situação. É um retrocesso sem precedentes.

   Um absurdo que nem a ditadura militar acolheu.

   Nos anos 70, quando as garantias e os direitos civis estavam suspensos, os crimes políticos eram diferenciados dos comuns, ainda que pudessem ser caracterizados assim.

   Um militante que assaltasse um banco não era julgado como assaltante e sim como militante político e não ficava preso com assaltantes de banco, mas com presos políticos, em outra ala do presídio. Não recebia as penas de um assaltante, mas de um militante político.

   A transformação de políticos em bandidos é uma das mais trágicas consequências do clima inquisitorial que se instalou no país a partir do julgamento da Ação Penal 470, conhecida por Mensalão e que chegou ao auge com a Operação Lava Jato.

   Político é político.

   Bandido é bandido.


Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]