São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quinta-feira 14 de dezembro de 2017 - Ano: X - Edição: 3.345 - Visualizações: 19.638.129 - Postagens: 32.192

João Dória: o crepúsculo de um farsante. “A política ama a traição, mas logo abomina o traidor”



POR FERNANDO BRITO · 08/10/2017

“A política ama a traição, mas logo abomina o traidor”, dizia Leonel Brizola.

É a legenda ideal para a trajetória, em apenas nove meses, de João Doria Júnior, que em só poucas coisas conseguiu se tornar “o maior do Brasil”, como se acha: na empáfia, na grosseria, na soberba e, sobretudo, na traição àquele que o tirou da condição de mais um dos picaretas que vivem de acender as luzes sobre os ricos e famosos e o transformou no prefeito da maior cidade do país.

Aí está: a rejeição à sua candidatura à Presidência – sonho de socialites imbecis, micróbios como ACM Neto e os guris do MBL – chegou a 55% e ainda não parou de subir, pelo que se sente.

Só 18% dos paulistanos – sim, dos paulistanos, seu ninho – certamente daria seu voto a ele.

Se, em política, Doria fosse fiel a alguma coisa – e não é – estaria hoje abandonando os ares de candidato, pois ele próprio sugeriu que a candidatura tucano fosse escolhida “pelas pesquisas”.

Mas sempre há algo de bom nisso: o povo de São Paulo recupera um pouco a dignidade, por dizer não à horrenda pantomima que este senhor que se finge de rapaz protagonizou.

O bando de sanguessugas que se agregou a ele, prontas a usá-lo como trampolim para sua histeria, está baratinado.

Alguns o aconselharão a refluir para uma candidatura a governador, mas é provável que, a esta altura, Geraldo Alckmin não confie a ele nem a administração regional do Jardins.

Nos dias de ódio que nos batem à porta, a derrocada de Doria é um alento de  esperança.

Um sinal de que a imbecilidade tem um brilho fátuo, que logo se apaga por sua falta de substância.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]