São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - domingo 15 de Julho de 2018 - Ano: X - Edição: 3.558

Odebrecht entregou esquema de propina dos tucanos. Mas eles não são petistas, como diz o juiz Moro “isso não vem ao caso”


20 de dezembro de 2017

A empreiteira Odebrecht entregou um esquema de propinas nos governos dos tucanos, em São Paulo, que durou mais de uma década.

O propinoduto vigorou de 2004 até 2015 em obras que custaram cerca de R$ 10 bilhões aos cofres públicos, segundo documentos entregues pela Odebrecht à Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

A traquinagem teria ocorrido no Rodoanel e no Programa de Desenvolvimento do Sistema Viário Estratégico Metropolitano de São Paulo.

O propinoduto tucano subsistiu nos governos Geraldo Alckmin (2004-06), José Serra (2007-2010) e Alberto Goldman (2010), além de Claudio Lembo, do PFL (2006).

Por se tratar de tucanos, a mídia e os próprios órgãos de repressão insistem em chamar de “cartel” para suavizar a incriminação e relativizar o recebimento de propinas. Em virtude desse arreglo, empreiteira, Cade e Ministério Público Federal firmaram em julho passado um “acordo de leniência”, conforme divulgou nesta terça-feira (19) a Folha.

O Cade saiu em socorro aos tucanos jurando que não houve pagamento de propinas, mas “apenas” acertos de preços nas licitações e divisão de mercado. Ou seja, eles estão blindados e nada lhes acontecerá (ah, se fosse petistas!).


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]