São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - terça-feira 20 de Fevereiro de 2018 - Ano: X - Edição: 3.414 - Visualizações: 20.852.299 - Postagens: 32.877

E o povo se lixou para o julgamento do TRF-4, senhores 'desembagrinhos' é triste dizer: “mas os senhores foram solenemente ignorados”


"Senhores juízes, é triste dizer, mas os senhores foram solenemente ignorados pela opinião pública", diz o jornalista Fernando Brito ao comentar a nova pesquisa Datafolha, que mostra o ex-presidente Lula, mesmo condenado, vence as eleições em qualquer cenário; "É o resultado que ocorre quando se confunde autoridade com credibilidade. A primeira, ninguém duvida, é forte, imensa mesmo. Já a segunda, os senhores podem ver como está reduzida a quase nada", diz Brito

31 DE JANEIRO DE 2018 | Por Fernando Brito, do Tijolaço



Lembram do tempo em que se acolhia a famosa frase de que não se discute decisão judicial?

Pois o que fizerem com a politização autoritária das instituições judiciais brasileiras está estampado na primeira página da Folha, hoje, na primeira pesquisa feita após a condenação de Lula em segunda instância.

Nada se alterou na preferência da maioria dos eleitores por ele, que segue vencendo de “dois para um” ou mais a qualquer adversário.

Vai de 34 a 37%, dependendo do cenário, o mesmo que tinha antes.

O grau de rejeição, da mesma forma, não se moveu: 39 ou 40%, estatisticamente, é nada de diferença.

No segundo turno, vence todos e ainda amplia as diferenças da pesquisa Datafolha anterior.

Sim, isso  dias depois de ter sido exposto impiedosamente nas tevês, rádios, jornais, revistas, internet como um corrupto que não é, numa imagem que só “cola” perante os que, com ou sem sentença, já se tinha tornado presas do ódio.

Foi apresentado como um cadáver político e permaneceu tão vivo e forte eleitoralmente como antes.

Senhores juízes, é triste dizer, mas os senhores foram solenemente ignorados pela opinião pública.

É o resultado que ocorre quando se confunde autoridade com credibilidade. A primeira, ninguém duvida, é forte, imensa mesmo. Já a segunda, os senhores podem ver como está reduzida a quase nada.

A respeito, por favor, cartas para Curitiba e para os ministros do Supremo Tribunal Federal.

E se levarem adiante o plano de excluir Lula, o que terão?

Bolsonaro não murchou, como previam os sábios. Huck, a “grande esperança branca”, repetiu os índices pífios da pesquisa anterior.

Os que mais cresceriam com a extirpação de Lula da disputa seriam Ciro Gomes – que está longe  de representar uma “tranquilidade” para o sistema – e Marina Silva, que todos sabem que dificilmente sai da faixa insossa em que sempre fica, a não ser quando as pesquisas a inflavam para fazer o seu papel rancoroso de ex e antipetista.

O que conseguem é colocar – como registra o diretor do Datafolha, Marcos Paulino, os “sem-candidato” chegam à maior proporção da história e tornam os 44% que admitem votar em um candidato apoiado por Lula (27% certamente e 17% possivelmente) num capital eleitoral que nenhum dos outros candidatos nem de longe têm.

Ao contrário do que disse o pretensioso Fernando Henrique Cardoso, ao afirmar que “o jogo começa agora”, nem é jogo e nem começa agora.

É a corrente  do processo social, a marcha do povo brasileiro, que as togas podem até fazer submergir, mas não podem deter.

E se insistirem em fazê-lo, não contem que, adiante, ela vá rebrotar mansa e pacífica como um regato.

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]