São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - terça-feira 17 de Julho de 2018 - Ano: X - Edição: 3.560

Rei das delações premiadas do Banestado e da Lava Jato vendia proteção, acusam doleiros



Personagem central da Lava Jato, o advogado Antonio Figueiredo Basto, responsável pelas delações de Alberto Youssef e Delcídio Amaral, foi acusado pelos doleiros Vinícius Claret e Claudio de Souza, integrantes do esquema de Dario Messer, de protegê-los em seus acordos de colaboração, a troca de uma mesada de US$ 50 mil, durante vários anos, desde as investigações sobre o Banestado; ou seja: os doleiros teriam sido protegidos e puderam continuar operando graças às mesadas; Basto diz não ter como se defender dos 'boatos'


19 DE MAIO DE 2018

Personagem central da Lava Jato, o advogado Antonio Figueiredo Basto, responsável pelas delações de Alberto Youssef e Delcídio Amaral, foi acusado pelos doleiros Vinícius Claret e Claudio de Souza, integrantes do esquema de Dario Messer, de protegê-los em seus acordos de colaboração, a troca de uma mesada de US$ 50 mil, durante vários anos, desde as investigações sobre o Banestado.

A informação é do jornalista Ricardo Galhardo no Estadão. "Os doleiros Vinícius Claret, conhecido como 'Juca Bala', e Cláudio de Souza, acusados de integrar o esquema comandado pelo 'doleiro dos doleiros' Dario Messer, disseram em delações feitas ao Ministério Público Federal que entre 2006 e 2013 pagaram mensalmente uma 'taxa de proteção' de US$ 50 mil (cerca de R$ 186 mil ao câmbio atual). O dinheiro, conforme os relatos, era entregue ao advogado curitibano Antonio Figueiredo Basto e um colega dele cujo nome não foi informado. O advogado é considerado um dos maiores especialistas do Brasil em colaborações premiadas", escreve Galhardo. "Na Lava Jato, Figueiredo Basto foi o responsável por negociações e acordos de delação de Lúcio Funaro, Renato Duque, Ricardo Pessoa, entre outros. Em 2004, intermediou o primeiro acordo no modelo atual do País no caso do Banestado, em nome do doleiro e Alberto Youssef – também pivô da Lava Jato –, e homologado pelo juiz Sérgio Moro", diz ainda o jornalista.

Segundo os doleiros, com a 'taxa de proteção', Basto garantiria imunidade aos doleiros junto ao Ministério Público e à Polícia Federal. Juca Bala e Claudio de Souza foram os principais operadores do esquema de Sergio Cabral. Basto diz não ter como se defender dos 'boatos'.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]