São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - terça-feira 17 de Julho de 2018 - Ano: X - Edição: 3.560

Sérgio Moro: o imbecil do Brasil se exibe na metrópole



POR FERNANDO BRITO · 21/05/2018

Francamente, nenhuma outra sensação senão a vergonha pode vir da leitura da cobertura da Folha sobre o périplo de Sérgio Moro em Nova York.

Um juiz, com cara de idiota deslumbrado, comprazendo-se em ver-se como super-herói, nas ceroulas coloridas do Super-Homem, num jantar de bacanas num restaurante de Manhattan é a coisa mais  tosca que alguém pensaria um dia ver.

Leia, não estou delirando:

Moro também parecia esfuziante ao ver imagens dele mesmo projetadas no telão, de montagens como a que mostra a cara do juiz federal no corpo de um Super-Homem a imagens das passeatas de quem se vestiu de verde e amarelo e bateu panelas pelo impeachment da ex-presidente petista Dilma Rousseff.
Moro, que parece fazer agora uma volta olímpica publicitária, reconheceu que o peso da opinião pública foi fundamental para seus julgamentos ao longo da Operação Lava Jato.

Quem sabe não podemos ter o mesmo episódio em terras patrias, fazendo uma homenagem ao “salvador do Brasil” no próprio Supremo Tribunal Federal, com a Ministra Cámem Lúcia de Mulher-Gato, Rosa Weber de Mulher-Maravilha e Luís Roberto Barroso de Robin, já que o Batman Barbosa  aposentou-se e correu da raia?

Vamos, reduzam ainda mais ao ridículo a Liga da Justiça que “governa” o Brasil desgovernado, transformando este país numa caricatura doentia de vaidades e arrogâncias!

De verdade, a última coisa que pensei em escrever na vida foi que juízes admitam ser transformados em clowns para platérias estrangeiras endinheiradas.

Dá nojo ver no que esta gente se transformou.

Até um Antonio Carlos Magalhães ou um José Sarney teriam vergonha na cara para não se prestarem a tal papel.

Estamos sob a tutela de imbecis, que não têm sequer a noção do decoro que se exige de magistrados.

Comportam-se como pré-adolescentes numa casa de festas, entregues a brincadeiras infantilóides, sem qualquer noção de ridículo.

Insurgir-se contra isso não é mais uma atitude político-ideológica, é um imperativo moral.

Viramos uma chacota internacional.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]