São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - Segunda-feira 25 de Junho de 2018 - Ano: X - Edição: 3.538

Michel Temer primeiro, a capitulação; depois, a humilhação



POR FERNANDO BRITO · 28/05/2018

Vamos aos fatos: o Governo não conseguiu restabelecer minimamente o fluxo de combustíveis e o de cargas no país e o ultimato dos caminhoneiros não será o último que enfrentará.

Esta foi a razão da “generosidade” de anunciar uma redução de 46 centavos, por litro, no preço do óleo diesel: o medo de uma situação caótica no início da semana útil, hoje e amanhã.

Não conseguiu, em dois dias, uma ação mais expressiva das Forças Armadas, as ameaças de multas aos motoristas e proprietários de caminhões não foram, ao que parece, levadas a sério, não efetivou o confisco de caminhões, fez acordos que se desmancharam no ar.

A autoridade que ele já não tinha senão em migalhas, reduziu-se a zero e, nesta segunda-feira, os efeitos serão sentidos não apenas na confusão do transporte coletivo, mas na irritação da classe média, que já se expressou hoje na volta dos panelaços, aposentados há dois anos, desde a derrubada de Dilma.

É um governo que jamais venceu, irremediavelmente perdeu e, agora, parte para ser espezinhado e humilhado por todos, inclusive pelos que o instituíram pelo golpe.

É provável que o mercado financeiro reflita, mais este capítulo fulminante na decadência, jogando mais lenha na fogueira de tensão em que o país foi lançado.

Não há governo e, não havendo, começa a se formar o vácuo que a política não aceita.

Junho se aproxima, como em 2013.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]