São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - quarta-feira 20 de Junho de 2018 - Ano: X - Edição: 3.533

O desastre Michel Temer tem pai, o PSDB, e mãe, a Globo



POR FERNANDO BRITO · 10/06/2018

Ontem, reproduzi aqui uma nota de Lauro Jardim, em O Globo, sobre os altíssimos índices de apoio dado a Michel Temer pelos partidos de Geraldo Alckmin e de Jair Bolsonaro – se é que merecem este nome os arranjos montados para servir de formalidade legal ao ex-capitão – chamando a atenção para as “saias-justas” que lhes virão com o início dos debates e propagandas eleitorais.

Hoje, o Datafolha, o único instituto de pesquisas que ainda registrava leves resíduos de apoio a Michel Temer, colocou-o no patamar que qualquer pessoa percebe, nas ruas do Brasil: os 3% que sobraram de avaliação de seu governo como “ótimo” ou “bom” são, virtualmente, zero.

Está coberta de razão e é de fazer enterrarem a cabeça, como avestruzes os que foram responsáveis por este desastre que, em dois anos, se transformou em tragédia, a fala da presidente do PT, Gleisi Hoffman, no Senado, em que ela diz que este pessoal “vazou” (assista o vídeo ao final).

Temer não é recordista de impopularidade por ser um personagem caricato, mas por suas políticas e suas políticas foram, essencialmente, todas aquelas que a direita brasileira desejava e apontava como saídas para a crise. E que, como está claro, só a aprofundaram.

Nem está no poder por outra razão além do fato de a Globo ter cevado e apoiado a conspiração golpista.

Logo estarão na internet e nos aplicativos de celular os nomes de quem votou para levar Temer à presidência e apoiou os seus projetos ruinosos e se os candidatos do campo popular souberem ajudar a aponta-los, corajosamente, como faz Gleise, o povão saberá entender.



0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]