São Gonçalo do Amarante - Ceará - Brasil - terça-feira 17 de Julho de 2018 - Ano: X - Edição: 3.560

ALEX SOLNIK | Moro ficou nu



Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais "Porque não deu certo", "O Cofre do Adhemar", "A guerra do apagão" e "O domador de sonhos"

9 de Julho de 2018
epois de meter a toga onde não foi chamado e contestar decisão de instância superior, Sérgio Moro ficou nu.

Em plenas férias, em Portugal, agiu como se Lula fosse "dele". "Esse preso é meu, ninguém bole" foi o seu recado d'além mar.

Confirmou as reclamações da defesa de Lula de que não atuava com a necessária isenção no processo.

E o mais surpreendente e constrangedor foi constatar que o presidente do TRF-4, Thompson Flores, que deveria tê-lo colocado em seu devido lugar, obedeceu caninamente, apequenando o tribunal.

Se a segunda instância obedece à primeira há algo de podre no reino da Dinamarca.

Moro mais uma vez agiu como se as leis devessem ser obedecidas por todos, menos por ele.

E como se ele fosse a última instância da Justiça, acima de todas.

Apesar de ter saído como "vencedor" no episódio, a vitória de Moro foi de Pirro e as suas consequências não se esgotaram com a permanência de Lula nas dependências da Polícia Federal. O seu comportamento deverá ser analisado pelo Conselho Nacional de Justiça e a sua credibilidade e popularidade deverá sofrer mais um revés.

Além disso, Moro perdeu totalmente a condição de continuar julgando os dois outros processos que comanda contra o ex-presidente Lula, o do sítio que jamais foi de Lula e o do terreno do Instituto Lula que jamais foi do instituto.

A sua exclusão dos processos deverá ser pleiteada pela defesa do ex-presidente e acatada pelo STF, a fim de se restabelecer a segurança jurídica no país.


1 comentários:

Venceslau Ignaczuk disse...

Em assim sendo, ficou claro.

[ Deixe-nos seu Comentário ]