Caixa 2 de Bolsonaro é destaque na imprensa internacional, no Brasil silêncio total



18/10/2018

A Globo não tem ideia da fatura que lhe será cobrada. 

Os principais jornais do mundo, entre eles o The New York Times (EUA) e o The Guardian (Reino Unido), deram destaque às revelações feitas hoje de que dezenas de empresários estão envolvidos em um esquema de caixa 2 na campanha de Bolsonaro para disseminar fake news contra Haddad

O esquema milionário e ilegal de caixa 2 envolvendo empresários e a campanha de Jair Bolsonaro (PSL) para a disseminação de fake news no Whatsapp contra seu adversário, Fernando Haddad (PT), já é notícia mundial. 

O fato, revelado pela Folha de S. Paulo na manhã desta quinta-feira (18), ganhou espaço nos principais jornais do mundo, entre eles o The Guardian, do Reino Unido, e o The New York Times, dos Estados Unidos.

O The Guardian replicou as informações do jornal brasileiro e chamou Bolsonaro de “representante da extrema-direita”, além de “populista pró-tortura que elogia a ditadura”. 

“O Brasil luta contra uma tsunâmi de notícias falsas em meio a uma eleição presidencial polarizada. De acordo com as alegações em uma matéria de capa da Folha de São Paulo, um dos principais jornais do Brasil, Bolsonaro tem recebido ajuda ilegal de um grupo de empresários brasileiros que estão patrocinando uma campanha para bombardear usuários do WhatsApp com notícias falsas contra Haddad”, diz a matéria do jornal inglês.

O norte-americano The New York Times foi pela mesma linha. Na matéria, o jornal traz a denúncia da Folha e afirma que o que foi feito pelo candidato viola as leis brasileiras. “A disseminação de informações falsas nas redes sociais se generalizou nos preparativos para o segundo turno presidencial do dia 28 de outubro”, diz o artigo.


9 comentários:

Mari disse...

Vergonhoso !!!

Unknown disse...

Aqui a #máfiadetoga não fará nada, com certeza

Anônimo disse...

Sinto muita vergonha de nossa justiça, de nossas leis sendo violadas, nossos direitos idem...Tenho varios amigos e colegas la fora e nao sei o que dizer...����

Marcelo Cavinato disse...

·
A repercussão de tsunami de fake news ( milhões deles) no Whatsapp endereçados ao PT e campanha de Haddad - comprovados seguramente como crime eleitoral- fez a Ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), adiar a entrevista coletiva que daria hoje sobre a fraude eleitoral.

Como estava tremendo de medo, ela, descendente de alemães, se rearticulou com os organismos de segurança pública da Nação.

Para se proteger.
Assim, chamou outras autoridades pra estarem com ela na nova entrevista coletiva.

Quem são?

Vejam quem estará, na bancada do TSE, domingo, às 14 horas, falando sobre o escândalo Bolsonaro e seus empresários apoiadores não tanto ocultos.
São eles:

1.O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann;

2. O ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República, general Sérgio Etchegoyen

3.A procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

4.A advogada-geral da União, Grace Mendonça

5. O diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro.

Ora, Weber quis se proteger, claro.

Quer dividir a responsabilidade de cassar a chapa do PSL com outros organismos militares e jurídicos de importância estrutural.

A entrevista coletiva mais disputada de todos os tempos se dará, agora, domingo, às 14 horas, no TSE, Brasília.

Ela não é boba, nem nada.

Se articulou com essas instâncias para dividir responsabilidades caso a decisão do TSE seja favorável a manter a chapa Bolsonaro como legítima.

Se proteger.

No entanto, conjuntura estrutural é muito pesada para ela, Weber.

Ficou comprovado pela reportagem “Folha de São Paulo”, que Bolsonaro cagou para a lei eleitoral.
Se for feita uma investigação pra valer, será constatado que essas empresas que financiaram os fake news do Whatsapp contra o PT e Haddad -pagaram cerca de R$ 12 milhões pelos impulsionamentos - são íntimas da família Bolsonaro.
Como constatação do crime, hoje, o Whatsapp baniu a conta do senador eleito – e filho de Bolsonaro- Flávio Bolsonaro de suas contas, pois, o mesmo, utilizava de expedientes ilegais para inflar sua conta.
Trata-se, aqui, da confissão do crime.
Feita pelo Whatsa: mais uma prova da campanha suja, ilegal e imoral do candidato do PSL.
Nesse sentido, devemos rpp.
Em outras palavrasepensar uma coisa: que papel essas empresas digitais norte-americanas desempenham em nosso pais?
Alterando o sistema democrático, se aliando a empresários inescrupulosos, mudando dados, fazendo vistas grossas a legislação eleitoral, e se associando a uma candidatura nazifascista.

Vainer Kronbauer disse...

Brasil caminha para o poço do qual não haverá retorno. A Internacional Capitalista está conseguindo o seu objetivos "lavando" muitos milhões de dólares...

Vainer Kronbauer disse...

Brasil caminha para o poço do qual não haverá retorno. A Internacional Capitalista está conseguindo o seu objetivos "lavando" muitos milhões de dólares...

Anônimo disse...

B17

Cleusa Kugik Gomes disse...

O Analfabeto Político
O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

Bertolt Brecht

Erivan Santos disse...

Petralhada, aceita que doe menos, fake news quem espalhou foram vocês.
Porém o choro é livre...

[ Deixe-nos seu Comentário ]