Generais intervêm no Itamaraty e tutelam chanceler aloprado


Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O chanceler Ernesto Araújo, que jamais chefiou uma missão diplomática e foi indicado pelo astrólogo Olavo de Carvalho, não pode fazer mais nada, sem aprovação prévia da junta militar que governa informalmente o País; a gota d'água foi o anúncio do fim da cooperação militar entre Brasil e Venezuela; os militares também ficaram irritados com falas sobre temas como base dos Estados Unidos no Brasil e a embaixada em Jerusalém – tema este que já provocou a suspensão de importações de países árabes e prejuízos seríssimos ao agronegócio; demissão foi sugerida e só não ocorreu para evitar danos de imagem

3 DE FEVEREIRO DE 2019

"A ala militar do governo promoveu uma espécie de intervenção branca no Itamaraty, tutelando os movimentos do chanceler Ernesto Araújo sobre temas considerados sensíveis —crise na Venezuela à frente", informa o jornalista Igor Gielow, em reportagem publicada na Folha de S. Paulo. Isso significa que o diplomata Araújo, que jamais chefiou uma missão diplomática e foi indicado pelo astrólogo Olavo de Carvalho, não pode fazer mais nada, sem aprovação prévia da junta militar que governa informalmente o País.

A gota d'água foi o anúncio do fim da cooperação militar entre Brasil e Venezuela. "A ala militar do governo promoveu uma espécie de intervenção branca no Itamaraty, tutelando os movimentos do chanceler Ernesto Araújo sobre temas considerados sensíveis —crise na Venezuela à frente", diz Gielow. "No dia 4 de janeiro, Araújo participou de reunião no Peru do Grupo de Lima, que reúne 14 países para discutir a situação política venezuelana. Quando o documento foi divulgado, militares ligados à área de inteligência ficaram de cabelo em pé com o item 'D' das providências anunciadas: 'Suspender a cooperação militar com o regime de Nicolás Maduro', dizia o texto. Só que Araújo não consultou a área militar sobre isso. E é justamente a cooperação com as Forças Armadas venezuelanas que mantém o Brasil minimamente informado", aponta a reportagem.

Os militares também ficaram irritados com falas sobre temas como base dos Estados Unidos no Brasil e a embaixada em Jerusalém – tema este que já provocou a suspensão de importações de países árabes e prejuízos seríssimos ao agronegócio.

"No caso da Venezuela, alguns oficiais sugeriram que Araújo fosse demitido. Outros ponderaram sobre o dano de imagem que tal queda geraria e sugeriram que ele se consultasse mais com os ministros egressos da área militar", informa o jornalista.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]