O Globo mostra que Queiroz sabe mesmo fazer dinheiro




POR FERNANDO BRITO · 25/05/2019

Não eram apenas os R$ 64 mil pagos em espécie ao Hospital Albert Einstein  por Fabrício Queiróz que viajaram, em notas, da Taquara, no Rio de Janeiro, até a tesouraria do hospital. Com eles foram outros R$ 69 mil em dinheiro vivo para  pagar a equipe médica que atendeu ao ex-assessor do filho senador de Jair Bolsonaro.

Os R$ 133 mil, claro, estavam guardados em dinheiro vivo, mas são, segundo o advogado de Queiroz, dinheiro lícito, uma vez que a renda familiar chegaria a R$ 500 mil anuais. Imagina-se que somando o ganho de pai, mãe e duas filhas nos gabinetes de Flávio e Jair Bolsonaro, naturalmente, mereciam tão alta remuneração pela qualidade e especialização de seus serviços, dos quais não se tem a menor ideia do que fossem.

O dinheiro, sim, repousava nas gavetas, deixando de render em alguma aplicação financeira, logo para ele, Queiroz, o homem que sabia fazer “rolos” e ganhar dinheiro com qualquer coisa.

De lá só saiu, para descansar em uma mala ou sacola, com destino a São Paulo.

Alguém se lembra da “história plausível” que Fabrício Queiroz contou a Flávio Bolsonaro?

Porque, com tanto dinheiro nas gavetas, Fabrício pediu os R$ 40 mil que Jair Bolsonaro diz ter lhe emprestado e que teriam gerado os tais cheques depositados na conta da hoje primeira-dama Michelle?

Tudo é, ao contrário, implausível.

Tão implausível que não tem como ser explicado, se as investigaçõers, de fato, quiserem seguir adiante.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]