Datafolha: 58% da população brasileira reprova a conduta do ex-juiz Sérgio Moro e que suas decisões devem ser revistas


 (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Pesquisa Datafolha divulgada neste sábado mostra que 58% acham que a conduta de Sérgio Moro revelada pela Vaza Jato foi inadequada, ante 31% que a aprova; outros 58% dizem que, se comprovadas irregularidades, decisões de Moro devem ser revistas

6 de julho de 2019

Pesquisa do instituto Datafolha divulgada neste sábado (6) mostra que a maioria da população brasileira reprova a conduta do ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, ao se comportar como coordenador do Ministério Público nas ações da Lava Jato.

Segundo o jornalista Igor Gielow, da Folha de S. Paulo, entre os que ouviram falar do caso, 58% acham que a conduta de Moro foi inadequada, ante 31% que a aprova. Não sabem avaliar 11% dos ouvidos.

Também são 58% os que dizem acreditar que, se comprovadas irregularidades, eventuais decisões de Moro na Lava Jato devem ser revistas. Para 30%, o ganho no combate à corrupção compensa eventuais excessos cometidos.

A aprovação pessoal de Moro, segundo o Datafolha, caiu de 59% para 52% em relação à pesquisa mais recente, feita há três meses. Entretanto, para 54%, não há motivo para sua saída, enquanto 38% acham que sim. 

Segundo os dados do Datafolha, apesar das ilegalidades apresentadas pela Vaza Jato, 54% da população considera justa a prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O percentual é o mesmo do levantamento feito em abril. 42% da população classifica a prisão como injusta, percentual que era 40% em abril.

A prisão de Lula é considerada justa pelos mais ricos, que ganham acima de 10 salários mínimos (67%), e injusta pelos mais pobres (51%). Regionalmente,  56% dos nordestinos condenam a prisão de Lula, enquanto 63% dos sulistas a aplaudem.

A pesquisa do Datafolha foi feita em 4 e 5 de julho, com 2.086 entrevistados com mais de 16 anos, e em 130 cidades. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. 


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]