Marco Aurélio Mello diz que só mordaça pode parar falas de Jair Bolsonaro


 (FOTO: WILSON DIAS/ABR)

Ministro do STF é mais um a rejeitar declarações do presidente, as quais classificou como ‘incivilidade’ e ‘grosseria’

Giovanna Galvani | 31 DE JULHO DE 2019

Após gerar repercussão nacional, a fala do presidente Jair Bolsonaro em relação ao pai do presidente da OAB traz comentários, agora, do Supremo Tribunal Federal. Em entrevista ao jornalista Tales Faria, do UOL, o ministro Marco Aurélio Mello sugeriu que “apenas criando um aparelho de mordaça” Bolsonaro poderia parar de proferir o que chamou de ‘incivilidade’ e ‘grosseria’.

Além da declaração, Mello, que é o segundo mais velho da Suprema Corte e deverá ser substituído por alguma indicação de Bolsonaro em dois anos, também criticou a fala do presidente como uma forma de ‘mau exemplo’. Apresentou um contraponto em seguida: “Por outro lado, acho que pode ser um marco de como as pessoas não devem ser. A repugnância tem sido geral”, disse.

Bolsonaro comentou a morte de Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), nesta segunda-feira 29, dizendo que “um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto. Ele não vai querer ouvir a verdade. Eu conto para ele”. O presidente depois afirmou, em um vídeo em que corta o cabelo, que Fernando Santa Cruz teria sido morto por militantes de esquerda, o que é contestável.

Fernando foi perseguido e assassinado pela ditadura – com reconhecimento do Estado brasileiro a partir dos documentos da Comissão Nacional da Verdade (CNV), concluída em 2014. Os documentos indicam provas de que ele estava sob custódia do Destacamento de Operações de Informação – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI), um dos órgãos repressores da ditadura, desde 22 de fevereiro de 1974.

Um ex-delegado do DOPS do Espírito Santo, Cláudio Guerra, informou à CVN e ao livro ‘Memórias de uma Guerra Suja’, dos autores Rogério Medeiros e Marcelo Netto, que teria incinerado o corpo de Fernando Santa Cruz e outros militantes em uma usina de açúcar em Campo dos Goytacazes (RJ).

No dia 24 de julho de 2019, a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos expediu o atestado de óbito de Fernando Santa Cruz de Oliveira. O documento diz que ele “faleceu provavelmente no dia 23 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro/RJ, em razão de morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistemática e generalizada à população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985”.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]