Editorial da Folha de S. Paulo diz que Deltan Dallagnol deve deixar comando da Farsa Jato



Em uma crítica contundente à Lava Jato, editorial do jornal Folha de S. Paulo destaca que os vazamentos das trocas de mensagens entre procuradores revelaram o conluio da operação e que “é possível tirar três conclusões sobre o procurador Deltan Dallagnol, o chefe da força-tarefa à frente da operação em Curitiba” que mostram que “sua continuidade nas atuais funções parece ter se tornado inviável"

10 de agosto de 2019

Em uma crítica contundente à Lava Jato, o jornal Folha de S. Paulo destaca que os vazamentos das trocas de mensagens entre procuradores revelaram o conluio da operação e que “é possível tirar três conclusões sobre o procurador Deltan Dallagnol, o chefe da força-tarefa à frente da operação em Curitiba” e que os pontos revelados Vaza Jato mostram que “sua continuidade nas atuais funções parece ter se tornado inviável". 

 As conclusões, segundo o editorial, são de que ele - juntamente com o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro -, “debateram estratégias e discutiram decisões fora dos autos”; que o procurador “lucrou com a fama alcançada” e incorrido em “abuso de poder”. 

“Caberá ao Judiciário e ao Conselho Nacional do Ministério Público, responsável pela fiscalização do trabalho dos procuradores, examinar as condutas de Dallagnol, determinar o que há de impróprio nelas e decidir se merecem punição”, destaca o texto.

“Mas os danos causados pelos vazamentos à credibilidade do procurador são difíceis de reparar, e sua continuidade nas atuais funções parece ter se tornado inviável”, sendo “impossível ignorar o conteúdo dos diálogos e as suspeitas que levantam sobre as ações da Lava Jato”.

O texto diz, ainda, que “há espaço para que o Congresso e o Supremo reforcem os limites que devem ser respeitados pelos investigadores” e que “as mensagens vazadas oferecem um espelho incômodo para os que participaram de excessos da Lava Jato”.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]