"O safado só queria passear", diz procurador ‘monstro’ sobre pedido de Lula para ir ao enterro do irmão Vavá


(Foto: Divulgação/PRPR | Ricardo Stuckert)

O procurador da Lava Jato Januário Paludo ironizou a possibilidade de Lula ir ao enterro de Vavá, irmão dele falecido em janeiro por causa de um câncer. É o que aponta a nova revelação do Intercept Brasil, em parceria com o Uol. "Eu acho que ele tem direito a ir. Mas não tem como", diz o procurador Antônio Carlos Welter no Telegram. Paludo responde: "O safado só queria passear e o Welter com pena"

27 de agosto de 2019

O procurador da Operação Lava Jato Januário Paludo ironizou a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ir ao enterro do irmão Vavá, que faleceu em 29 de janeiro deste ano por causa de um câncer. É o que apontam as novas revelações do site Intercept Brasil, em parceria com o Uol.

No chat pelo aplicativo Telegram, Antônio Carlos Welter diz acreditar que Lula tinha o direito de ir ao enterro do irmão. "Eu acho que ele tem direito a ir. Mas não tem como". Januário Paludo responde: "O safado só queria passear e o Welter com pena".

Em janeiro deste ano, o procurador Athayde Ribeiro Costa compartilha no grupo Filhos do Januário 3 a notícia de que Vavá havia morrido e demonstra a má vontade da operação em deixar Lula ir ao sepultamento. "Ele vai pedir para ir ao enterro. Se for, será um tumulto imenso", diz.

Athayde Ribeiro Costa pondera que negar o direito de o ex-presidente ir ao enterro daria uma repercussão negativa: "Mas se nao for, vai ser uma gritaria. e um prato cheio para o caso da ONU [Organização das Nações Unidas]", afirma em referência à manifestação que a defesa de Lula apresentaria dias depois ao Comitê de Direitos Humanos do órgão.

O procurador Orlando Martello diz achar "uma temeridade ele sair". "Não é um preso comum. Vai acontecer o q aconteceu na prisão", continua. "A militância vai abraçá-lo e não o deixaram voltar. Se houver insistência em trazê-lo de volta , vai dar ruim!!", complementa.

O procurador Diogo Castor diz que "todos presos em regime fechado tem este direito", e Orlando Martello retoma o argumento do risco à segurança: "3, 4, 10 agentes não o trarão de volta. Aí q mora o perigo caso insistam em fazer cumprir a lei".


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]