Lava Jato criou um 'Estado paralelo que integrava um projeto de poder', diz Gilmar Mendes


Gilmar: 'vai ter que examinar' se inclui novas provas da Lava Jato
(Foto: ABr | Senado)

O ministro Gilmar Mendes, do STF, afirmou que é preciso separar o hackeamento do conteúdo das mensagens divulgadas pelo The Intercept. "As pessoas que participaram das conversas não negaram que tenham participado. Então, assumindo que isso se deu, há que se prestar contas", destacou o ministro, afirmando que a Lava Jato criou um "Estado paralelo que integrava um projeto de poder"

2 de setembro de 2019

Em entrevista à rádio CBN, nesta segunda-eira (2), o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, voltou a falar sobre o conteúdo das mensagens vazadas pelo The Intercept. Segundo ele, as mensagens revelaram "a atuação proativa do juiz" Sergio Moro, o que "gerou suspeita".

Em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, o ministro disse que o Judiciário vive a sua maior crise institucional. "O sistema todo foi contaminado por essa coisa", enfatizou, afirmando que a Lava Jato criou um "Estado paralelo que integrava um projeto de poder".

"Há uma frase que diz que o trapezista morre quando pensa que voa. E acho que os trapezistas aqui pensaram que voavam", acrescentou.

Para o ministro, é preciso separar o hackeamento, crime que, segundo ele, merece repúdio e punição, do conteúdo das mensagens divulgadas. "As pessoas que participaram das conversas não negaram que tenham participado. Então, assumindo que isso se deu, há que se prestar contas", destacou.

Gilmar Mendes também falou sobre os comentário debochado de procuradores sobre a morte de parentes do ex-presidente Lula.

"É interessante que alguém observava que a população se sensibilizou muito que os procuradores tiveram em torno dos enterros dos familiares de Lula, e da falta de sensibilidade moral", avaliou. "Porque a população entende isto. Talvez não entenda o debate jurídico, que está por trás de todas essas coisas, mas aquilo que ela entende, ela repudia. Ela sabe o que é enterrar um parente, enterrar um neto. E fazer a brincadeira sobre isso mostra uma falta de sensibilidade moral muito grave".


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]