Deltan Dallagnol é escrachado em palestra em Santo André


(Foto: Esq.: ABR)

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, foi escrachado em Santo André (SP), onde foi dar uma palestra. "Essa, essa, essa. Dallagnol só quer palestra", gritaram os manifestantes. Procurador planejou criação de uma empresa para lucrar com palestras e também queria fazer marketing da Lava Jato, operação em que vários abusos já foram comprovados

25 de outubro de 2019

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, foi escrachado em São André (SP), onde foi dar uma palestra. "Essa, essa, essa. Dallagnol só quer palestra", gritaram os manifestantes.

Segundo reportagem do Intercept Brasil, publicada em julho e assinada pelos jornalistas Amanda Audi, Leandro Demori, Dallagnol planejou a criação de um empresa para lucrar com palestras. "Eles não apareceriam formalmente como sócios, para evitar questionamentos legais e críticas. A ideia era usar familiares", diz a matéria, feita em parceria com a Folha de S.Paulo.

"A lei não proíbe que procuradores sejam sócios, investidores ou acionistas, desde que não tenham poderes de administração ou gestão da empresa", acrescenta.

Em outra reportagem, Dallagnol reforça a sua tentativa de fazer fama com a Lava Jato. "Precisamos de estratégias de marketing. Marketing das reformas necessárias", disse o procurador Deltan Dallagnol em grupo de conversa com colegas em maio de 2016  apontou o texto, também produzido em parceria com a Folha.

O procurador está cada vez mais desgastado com as revelações do site Intercept Brasil. De acordo com a séria de reprotagens que vêm sendo publicadas desde o dia 9 de junho, ele e o ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, feriram a equidistância entre quem julga e quem acusa.

Quando julgava os processos da Lava Jato em primeira instância, Moro interferiu no trabalho de procuradores, sugerindo, por exemplo, a inversão da ordem das fases da operação. Também questionou a capacidade de uma procuradora em interrogar o ex-presidente Lula. 

Inclusive Dallagnol duvida da existência de provas contra o ex-presidente, apontou outra  reportagem do Intercept.

"No dia 9 de setembro de 2016, precisamente às 21h36 daquela sexta-feira, Deltan Dallagnol enviou uma mensagem a um grupo batizado de Incendiários ROJ, formado pelos procuradores que trabalhavam no caso. Ele digitou: 'Falarão que estamos acusando com base em notícia de jornal e indícios frágeis… então é um item que é bom que esteja bem amarrado. Fora esse item, até agora tenho receio da ligação entre petrobras e o enriquecimento, e depois que me falaram to com receio da história do apto… São pontos em que temos que ter as respostas ajustadas e na ponta da língua'", diz o site.






0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]