2

São Gonçalo do Amarante - CE - Quarta-feira 02 Dezembro de 2020 - Ano: XIII - Edição: 4.427

Inês é morta, ministro Dias Toffoli



POR FERNANDO BRITO · 17/12/2019

O presidente do Supremo, Dias Toffoli, diz o óbvio em entrevista ao Estadão: a Lava Jato destruiu empresas e empregos.

“A Lava Jato foi muito importante, desvendou casos de corrupção, colocou pessoas na cadeia, colocou o Brasil numa outra dimensão do ponto de vista do combate à corrupção, não há dúvida. Mas destruiu empresas. Isso jamais aconteceria nos Estados Unidos. Jamais aconteceu na Alemanha. Nos Estados Unidos tem empresário com prisão perpétua, porque lá é possível, mas a empresa dele sobreviveu.”

Perfeito, tem toda a razão. Mas ter razão com quase cinco anos de atraso adianta, literalmente, nada.

Não vai devolver empregos ao meio milhão de trabalhadores que os perderam na avalanche da Lava Jato.

Não vai impedir que esqueletos de concreto apodreçam e que o dinheiro público empregado nestes se desmanche ao abandono.

Isso não vinha ao caso, o que importava era criminalizar a política e definir, com isso, a tomada do poder.

Pergunta-se: o Supremo, durante estes anos, reprimiu algum abuso de um “Ministério Público pouco transparente”, como diz Toffoli, de um juiz á procura de holofotes e as de um tribunal federal onde tudo o que ele fazia era legitimado, até com a alegação de que “um caso excepcional exige medidas excepcionais”?

A esta altura, não há um ministro do Supremo que não saiba que foi espionado, grampeado, arapongado por esta praga de gafanhotos.

Pede-se mais de um presidente do Supremo do que ter os cabelos milimetricamente arrumados, Excelência.

Aliás, ficou a curiosidade de onde é que Toffoli encontra “excelência” num governo que comete atropelo após atropelo e expõe o país a declarações “civilizadíssimas” como a de “pendurar no pau de arara”, recriar o AI-5 e ameaçar o próprio Supremo, por filhos e matilhas.

O resultado é que o STF decaiu muito no conceito público e suas decisões são “peitadas” por qualquer um.

Se algum mérito há na gestão de Toffoli no STF é ter sido melhor do que será a próxima, entregue a Luiz Fux.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor