Ciro Gomes: ou Sérgio Moro esclarece o caso Adriano, ou será cúmplice



Ex-ministro Ciro Gomes cobrou do ministro Sérgio Moro apuração sobre a suspeita da morte do miliciano Adriano Nóbrega, ligado ao clã Bolsonaro, ter sido queima de arquivo. "Se Sérgio Moro não esclarecer cabalmente este estranhíssimo encadeamento de fatos terá se transformado em cúmplice!", disse Ciro pelo Twitter

10 de fevereiro de 2020

O ex-ministro Ciro Gomes cobrou do ministro da Justiça, Sérgio Moro, investigação rigorosa sobre a suspeita da morte do ex-PM e miliciano Adriano Nóbrega, ligado ao senador Flávio Bolsonaro, ter sido uma queima de arquivo.

"Se Sérgio Moro não esclarecer cabalmente este estranhíssimo encadeamento de fatos que inequivocamente estabelece vínculos entre Bolsonaro, filhos e mulher, Queiroz, as milícias do RJ e o assassinato de Marielle e Anderson, terá se transformado em cúmplice!", disse Ciro pelo Twitter.

A suspeita de queima de arquivo foi apresentada pelo advogado de Adriano Nóbrega, Paulo Emílio Catta Preta. "Ele me disse assim: 'doutor, ninguém está aqui para me prender. Eles querem me matar. Se me prenderem, vão matar na prisão. Tenho certeza que vão me matar por queima de arquivo'. Palavras dele", afirmou o advogado Paulo Emílio.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor