2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sábado 26 de setembro de 2020 - Ano: XII - Edição: 4.360

RIBAMAR FONSECA | Bolsonaro virou Rainha da Inglaterra: reina mas não manda


 Jair Bolsonaro e Walter Souza Braga Netto
(Foto: ABr | Reuters | Reprodução)

"Diante da inércia dos dirigentes dos poderes Legislativo e Judiciário, que não atenderam aos apelos para afastamento da Presidência da República do homem que vem destruindo o país, os militares teriam encontrado uma solução menos traumática para o problema: retiraram-lhe os poderes sem afastá-lo do cargo", diz o colunista Ribamar Fonseca

7 de abril de 2020

Jornalista e escritor 
X-X-X

Aparentemente, a julgar pelos rumores que circularam na semana recém-finda, o presidente  Bolsonaro  foi  transformado em rainha da Inglaterra: reina mas não manda nada. Segundo aqueles rumores, diante da inércia dos dirigentes dos poderes Legislativo e Judiciário, que não atenderam aos apelos para afastamento da Presidência da República do homem que  vem destruindo o país, os militares teriam encontrado uma solução menos traumática para o problema: retiraram-lhe os poderes sem afastá-lo do cargo. E o Brasil já estaria sendo governado de fato pelo general Braga Neto, atual ministro-chefe da Casa Civil, que ultimamente tem tomado a frente dos encontros com a imprensa no Palácio do Planalto. Bolsonaro, na realidade, perdeu espaço  no noticiário, sendo visto praticamente apenas à saída do Palácio da Alvorada, nos encontros matinais com seus seguidores, oportunidade que aproveita para despejar suas costumeiras grosserias e ataques à imprensa e governadores. Se a grande imprensa retirar seus repórteres da porta do Alvorada ele sairá do foco, com enormes danos para a sua vaidade, e passará a ser notícia  apenas nas redes sociais.

O capitão, na verdade, já vinha isolado há algum tempo, perdendo o apoio de aliados por conta sobretudo do seu comportamento diante da pandemia do coronavirus. Sentindo a debandada, inclusive de ministros que antes o acompanhavam para todo lado, como Sergio Moro, verdadeiros papagaios de pirata, Bolsonaro passou a se queixar da ingratidão dos auxiliares. E, enciumado com a popularidade do ministro da Saúde, Henrique Mandetta, que o superou nas pesquisas em função do combate ao coronavirus, Bolsonaro passou a fritá-lo, ameaçando inclusive demiti-lo, chegando a dizer que estava “de saco cheio dele”. Não é difícil perceber que  o capitão parece perdido. Depois do pronunciamento considerado conciliador na televisão, quando muitos pensaram que haveria uma mudança no seu comportamento, em menos de 24 horas ele voltou a ser o mesmo Bolsonaro de sempre, contrariando tudo o que dissera na noite anterior. Quem melhor o definiu foi o general Hamilton Mourão, vice-presidente, segundo o qual Bolsonaro não muda porque “já tem 65 anos”. Traduzindo: pau que nasce torto...

Embora aqui o assunto ainda não tenha merecido espaço na imprensa, jornais da Argentina e da Itália noticiaram que o general Braga Neto já seria o “presidente operacional” do Brasil, responsável por todas as decisões, inclusive pela manutenção de Mandetta no Ministério da Saúde. Se verdadeira tal informação, Bolsonaro, que foi diagnosticado por psiquiatras contratados pela “Folha” como “paranóico”, já não é mais presidente, conforme disse um haitiano, mas dificilmente conseguirá conformar-se com essa nova situação que, obviamente, o deixará na sombra. E não renunciará, mesmo pressionado,  porque surpreendentemente ainda tem o apoio da maioria do povo para continuar no Planalto, segundo pesquisa do Datafolha, e sabe que no momento em que deixar formalmente o cargo estará vulnerável a diversos processos, junto com os filhos, o que seria um final melancólico para quem chegou ao Planalto com todo gás, prometendo acabar com a velha politica do toma-lá-da-cá e com a corrupção. Em quase um ano e meio de governo não fez nem uma coisa nem outra, tornando-se uma grande decepção para todo mundo por sua absoluta falta de preparo para comandar uma nação do tamanho do Brasil.

Parece difícil entender como Bolsonaro, apesar de isolado, acusado de insano e de despreparo para governar o país, ainda tenha 59% de apoio para permanecer no cargo. Aparentemente esse número da pesquisa seria  proporcionado pelos evangélicos, a base de apoio do capitão, que conseguiu atrair os principais líderes das igrejas evangélicas. Por mais incrível que possa parecer, no entanto, segundo revelou um diretor do Datafolha, é justo entre os pobres, suas maiores vítimas, que ele tem maior apoio. E sem esgotar o seu repertório de ações polêmicas ele convocou o povo  para um dia de jejum, um “sacrifício” para ajudar na solução dos problemas do Brasil. Se jejuar resolvesse alguma coisa o pais há muito não teria mais nenhum problema, pois milhões de brasileiros já estão passando fome, sem empregos e sem rendas. Por isso, sua convocação soou como um deboche, pois o que ele deveria fazer mesmo era acelerar o pagamento do socorro emergencial já aprovado pelo Congresso e ainda engatado em algum gargalo – ou má vontade – da burocracia federal.

O ministro Mandetta, que está resistindo no cargo mesmo contra a vontade de Bolsonaro por estar navegando na fama conquistada no combate ao coronavirus, ganhou um novo inimigo: o guru do capitão, Olavo de Carvalho, que está exigindo a sua demissão. O capitão estaria impedido de demiti-lo, mas já o teria afastado da frente das câmeras nas entrevistas coletivas para esvaziá-lo e, desse modo, exonera-lo quando ele estiver mais esquecido, evitando uma repercussão negativa para o seu governo. Ninguém tem dúvidas, porém, de que os dias de Mandetta à frente do Ministério da Saúde estão contados, pois ele ousou ser mais protagonista do que o Presidente da República. Isso significa que sua exoneração deve acontecer tão logo a crise do coronavirus esteja menos grave, com a queda no número de infectados e de mortos, caso até lá o capitão ainda esteja de posse da caneta, hoje um mero detalhe decorativo.

Resta saber agora se o general Hamilton Mourão está participando dessa operação silenciosa de tomada de poder de Bolsonaro, pois na qualidade de vice-presidente ele é o substituto legal do titular e provavelmente não aceitaria quieto levar um drible da vaca. É possível, no entanto,  que isso seja apenas um processo de transição para que dentro em breve Mourão assuma o governo em definitivo, sem traumas, legalizando um “golpe branco” que, pelo menos em parte, atenderia à reivindicação de quantos não suportam mais o capitão no comando da nação. Se tal acontecer resta saber, também, se Mourão manteria o atual ministério ou faria modificações, considerando que nem todos os ministros são simpáticos a ele. De uma coisa, porém, ninguém tem dúvidas: o chamado “gabinete do ódio” deve ser desmontado, inclusive com a expulsão, do Palácio do Planalto, do “conselheiro” Carluxo, que se instalou perto do pai para melhor falar ao seu ouvido. 


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor