2

São Gonçalo do Amarante - CE - Quarta-feira 30 de setembro de 2020 - Ano: XII - Edição: 4.364

Um presidente na mão de seus capangas, Flávio, Fabrício e Frederick



POR FERNANDO BRITO · 26/06/2020

Três fantasmas e um presidente: Flávio, Fabrício e Frederick Wassef assombram dias e noites de Jair Bolsonaro, agora um acabrunhado ex-valentão, e nada fará isso parar.

Suas únicas armas, agora, são o silêncio e a protelação.

O primeiro, a toda hora, é quebrado pelos fatos e pela necessidade que todos apresentem versões do fatos, o que leva a afirmações absurdas e inverossímeis, como as de Wassef, que estreitam a margem dos outros dois de, na expressão do próprio Flávio, contarem “histórias plausíveis”.

O advogado do Filho 01 e do próprio presidente poderia ter escondido, durante um ano e meio e falando em complôs para assassinato de Queiroz, poderia ter escondido de ambos que estava homiziando o ex-PM. Não teria, obviamente, de comunicar as ameaças e pedir que os Bolsonaro providenciassem segurança para ele?

O advogado “guardou” Queiroz por um ano e meio e nunca conversou com ele? Não sabia de onde vinham os recursos em dinheiro para pagar despesas hospitalares e a vida folgada do ex-PM, além de sua família?

Wassef é um exibicionista desclassificado e é impossível negar sua proximidade, muito além da de um advogado, com Jair Bolsonaro, que o recebia, seguidamente, nos finais de semana do Palácio da Alvorada.

A detenção da mulher de Queiroz é outra ponta que está para ser puxada, até porque se tornou, para qualquer protetor que tenha assumido a tarefa de escondê-la.

Também a protelação das investigações, embora lhes faça respirar por dias é, evidentemente, algo que não vai se sustentar e basta que se questione nos tribunais superiores a decisão esdrúxula de retirar o processo da 1ª instância.

A atitude desleal, de quem procura se defender não no mérito, mas a golpes de esperteza e chicanas jurídicas, enquanto vão se acumulando as evidência de que se está diante de um esquema mafioso, em tudo semelhante às milícias que “controlam território”.

Só que território está se tornado restrito e o que sobra a Bolsonaro é o canto do ringue.


0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor