2

São Gonçalo do Amarante - CE - Quinta-feira 24 de setembro de 2020 - Ano: XII - Edição: 4.358

HELENA CHAGAS | Acordão na Lava Jato

Procurador da República Deltan Dallagnol durante evento em Brasília 20/03/2015

(Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

"A saída do procurador Deltan Dallagnol do comando da força tarefa da Lava Jato em Curitiba teve, para muita gente nos meios políticos e jurídicos, um cheiro de acordão — no mínimo, de trégua no acirrado conflito interno do Ministério Público e também nos confrontos entre a operação e outras instituições, como o STF", escreve a jornalista Helena Chagas

5 de setembro de 2020

Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democra

...

Além de marcar o fim de uma era, a saída do procurador Deltan Dallagnol do comando da força tarefa da Lava Jato em Curitiba teve, para muita gente nos meios políticos e jurídicos, um cheiro de acordão — no mínimo,  de trégua no acirrado conflito interno do Ministério Público e também nos confrontos entre a operação e outras instituições, como o STF.  Apesar das negativas, o afastamento voluntário do procurador, sem ataques a ninguém e nem críticas à PGR ou ao STF, seria sua parte no acordo em que se livrou de maiores punições no CNMP por seus atos.

É bom lembrar: há dias, Dallagnol, alvo de uma série de representações no Conselho por excessos cometidos na condução da operação, foi  salvo por dois ministros do STF — Luiz Fux e Celso de Mello, que determinaram o arquivamento ou adiamento desses julgamentos. Pelas contas de muita gente, havia maioria para punir Dallagnol, o que seria um desgaste imenso para a Lava Jato, que já não vive seus melhores dias, tendo quase que diariamente procedimentos e decisões revogados no Judiciário.

Foi para salvar o pouco que resta da Lava Jato, tirando-a dos holofotes, que a turma de Curitiba concordou com a operação Dallagnol, que coincidiu com um momento pessoal difícil para o procurador e deu-lhe também razões de cunho familiar para o afastamento. Seu substituto, Alessandro Oliveira, é considerado um técnico, avesso ao estrelismo e com interlocução mais fácil com Brasília.

A pergunta que não quer calar hoje é se a Lava Jato, que nos últimos tempos vem se esforçando para mostrar que está  viva desengavetando denúncias menores e antigas, acabou de acabar. Formalmente não, até porque, com esse entendimento com Curitiba, o PGR Augusto Aras deve prorrogar sua vigência, ainda que com enxugamento de pessoal.

Mas é óbvio que aquela Lava Jato que cresceu no imaginário popular no papel heróico do combate à corrupção acabou há muito tempo.  Perdeu sua aura de intocabilidade com a ida do ex-juiz Sergio Moro para o governo Bolsonaro, e, sobretudo,  por excessos e injustiças que estão agora sendo revistos pelo Judiciário. O que se tenta agora, tanto por parte da PGR quanto da força tarefa, é um armistício que preserve a imagem de uns e de outros, já que o conflito público estava sendo desgastante para todos.  

Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor