2

São Gonçalo do Amarante - CE - Terça-feira 01 Dezembro de 2020 - Ano: XIII - Edição: 4.426

Imprensa Internacional, Guardian a NY Times repercutem celebração de Bolsonaro à suspensão da vacina chinesa

(Foto: Reprodução)

A mídia internacional repercutiu a celebração de Jair Bolsonaro à suspensão da vacina chinesa, CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica SinoVac. Associated Press, Reuters, New York Times, Financial Times e outros criticaram a postura de Bolsonaro

10 de novembro de 2020

A mídia internacional repercutiu a celebração de Jair Bolsonaro à suspensão da vacina chinesa, CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica SinoVac - no Brasil, em parceria do governo de São Paulo e o Instituto Butantan.

Jornais europeus e norte-americanos divulgaram a reação de Bolsonaro, que comemorou a suspensão da vacina apesar do Brasil ter 162,6 mil mortes pelo novo coronavírus e mais de 5,6 milhões de casos de pessoas infectadas.

A Associated Press destacou em reportagem que a decisão da Anvisa parece “ter sido motivada não pela ciência, mas pela hostilidade política do líder ao país e ao estado [de São Paulo] envolvido na produção da vacina candidata”. Segundo o jornal, a suspensão da Anvisa é “outro golpe de Bolsonaro” contra a vacina.

A comemoração também foi destacada pelo Financial Times e pela agência de notícia Reuters, que destacou que Bolsonaro comemorou “a suspensão do teste da vacina Sinovac como uma ‘vitória’”.

O britânico Financial Times reporta que o Brasil enfrenta reação política após a suspensão do teste da vacina Covid desenvolvida na China. E que Pequim está empenhada em usar o setor farmacêutico para divulgação diplomática pós-pandemia.

O New York Times, um dos jornais mais importantes dos Estados Unidos, questionou: “Brasil interrompe teste de vacina chinesa. Mas a culpa foi da ciência ou da política?”. Ainda reforçou que “o governo brasileiro ofereceu poucas explicações sobre o motivo pelo qual parou abruptamente os testes de uma promissora injeção de coronavírus que milhares de pessoas já receberam”.

“Os resultados dos testes de Fase 1 da empresa não mostraram efeitos adversos, e os testes de Fase 2 mostraram 90% de proteção contra o SARS-CoV-2, o vírus que causa o Covid-19”, destacou o jornal.

O The Guardian disse que “embora os ensaios de vacinas sejam frequentemente interrompidos para investigar suspeitas de efeitos colaterais, incluindo o ensaio de fase 3 da vacina da Universidade de Oxford University e AstraZeneca, a linguagem usada pelas autoridades brasileiras foi invulgarmente forte, embora não tenham fornecido detalhes adicionais, exceto que o evento adverso ocorreu no final de outubro”.

Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor