2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sexta-feira 04 Dezembro de 2020 - Ano: XIII - Edição: 4.429

"Todos nós vamos morrer um dia, tem que deixar de ser um país de maricas", diz Bolsonaro sobre medo do coronavírus

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Durante discurso no Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro desprezou os efeitos da pandemia que já matou 162 mil pessoas no Brasil. Ele disse que o coronavírus foi "superdimensionado" e chamou imprensa de “urubuzada”

10 de novembro de 2020

Reuters - Em discurso no Planalto na tarde desta terça-feira (10), Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que é preciso enfrentar a pandemia do novo coronavírus de “peito aberto” e que o Brasil tem de deixar de ser “um país de maricas”, numa referência pejorativa ao receio com a Covid-19, que já matou mais de 162 mil e infectou 5,67 milhões de pessoas.

“Tudo agora é pandemia. Lamento os mortos, lamento. Todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer um dia... Não adianta fugir disso, da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas, pô”, disse Bolsonaro. “Olha que prato cheio para a imprensa, prato cheio para a urubuzada que está ali atrás”, acrescentou Bolsonaro, durante evento de lançamento da retomada do Turismo.

Bolsonaro disse ainda que a pandemia foi “superdimensionada” e criticou quem começou a amedrontar o povo com a possibilidade de uma segunda onda da doença.

As declarações vêm um dia após a suspensão pela Anvisa dos testes da vacina chinesa no Brasil, fato celebrado por Bolsonaro como uma “vitória”. Nesta terça-feira, veio a público a informação de que um voluntário de testes da Coronavac suicidou-se.

Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor