2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sexta-feira 5 de Março de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.520

130 votos pelo brucutu bolsolóide são retrato de nossa miséria moral

Por Fernando Brito | 20/02/2021

Francamente, não sinto vontade alguma de ‘comemorar’ a derrota por 364 votos a 13o do brucutu bolsonarista na votação sobre a manutenção da prisão de Daniel Silveira.

Imaginar que haja 130 defensores de amarrar um ministro do Supremo Tribunal Federal e “bater na sua cara com um gato morto até ele miar” é demais para mim.

Sabemos o que essa expressão quer dizer e a disposição de torturar – ainda que sem praticar a tortura – marca de forma suficiente o horror da tortura e do torturador.

Foi, se é que se pode dizer assim, um momento lamacento no pântano que se tornaram nossas instituições e elites políticas.

Ao lado do do brucutu, transformado em choramingas “arrependido” nada se poderia esperar senão o cinismo dos covardes.

Mas do lado dos democratas, o que se ouviu de lúcido?

Não eram as opiniões de Daniel Silveira o que importava. Saudosos da ditadura há aos magotes, fascistas sempre os houve e, confessemos, até vários muito mais ou alguma inteligência que aquele monstrengo.

Por mais que vários parlamentares tenham criticado a atitude do brutamontes, não houve quem levantasse que isso é apenas o fruto podre do ódio em que este país está mergulhado e sobre quem são os responsáveis por esta situação.

O deputado valentão, que virou covardão, é absolutamente desimportante como indivíduo, apenas mais um policial do “cumé que é?”

Mas onde estava uma voz vigorosa a fazer calar toda esta gente e proclamar que liberdade não é o poder de ameaçar e que governo não é o exercício de armas ou de bíceps?

Onde estava alguém para dizer que Jair Bolsonaro entregava a cabeça de um de seus esbirros para manter outras como vassalas?

Onde estava quem dissesse à direita que eles seriam empurrados a ser Daniel Silveira, daqui para a frente, na inecitável escalada fascista deste país.

Nosso inimigo, tal e qual o deputado bombadão é moral e eticamente minúsculo. Quando nos apequenamos, damos-lhe chances.

Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor