2

São Gonçalo do Amarante - CE - Terça-feira 13 de Abril de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.559

Dilma Rousseff defende mutirão pela vida após crimes cometidos por Bolsonaro no Ceará

(Foto: Ederson Casartelli/Brasil 247 | Reuters)

"Precisamos de um mutirão pela vida. Um pacto capaz de impor o uso obrigatório de máscaras, distanciamento social, veto a aglomerações, auxílio emergencial até o fim da pandemia e vacinas para todos, já", defendeu a ex-presidente Dilma Rousseff

27 de fevereiro de 2021

A ex-presidente Dilma Rousseff defendeu neste sábado (27) um pacto nacional para garantir auxílio emergencial até o fim da pandemia do novo coronavírus, e uma campanha de vacinação maciça da população.

Em manifesto divulgado em sua página na internet, a ex-presidente Dilma criticou Jair Bolsonaro por provocar aglomerações e desprezar o uso de máscaras durante visita ao Ceará.

A ex-presidente também criticou o argumento combatido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), de que não faz sentido deixar de combater o contágio em prol de uma suposta retomada da economia.

"É o que o negacionista Bolsonaro faz desde o começo da crise, com negligência, desprezo pelos mortos, incapacidade de gestão e mau exemplo para os cidadãos", diz Dilma.

"Precisamos de um mutirão pela vida. Um pacto capaz de impor o uso obrigatório de máscaras, distanciamento social, veto a aglomerações, auxílio emergencial até o fim da pandemia e vacinas para todos, já", afirma a ex-presidente.

Leia, abaixo o texto na íntegra:

Brasil Precisa de mutirão pela vida

Dilma Rousseff

No Ceará, o presidente negacionista Bolsonaro se superou: conseguiu ser pior do que ele mesmo, pois causou aglomerações, desprezou o uso de máscara para enfrentar a pandemia, negou a gravidade da doença e chantageou os governadores, dizendo que se eles restringissem a circulação de pessoas e adotassem o necessário distanciamento social para evitar o contágio e as mortes deveriam assumir o pagamento do auxílio emergencial.

É uma indignidade. O auxílio emergencial não pode ser objeto de chantagem. É justamente quando o país está no auge da pandemia, com 251 mil mortes, colapso hospitalar e falta de vacinas, que os pobres devem receber uma renda mínima do Estado para sobreviver e alimentar suas famílias sem se expor à morte, à doença e ao colapso dos serviços de saúde.

Punir os governadores fere a cláusula pétrea da constituição federal, como o respeito ao princípio federativo e o dever do estado de prover saúde como direito de todos. É uma atitude genocida, pois acrescenta ao desprezo pelas medidas para barrar as doenças e as mortes a chantagem, com o objetivo de impedir que os governadores o façam.

A OMS disse que a “situação da pandemia no Brasil é uma tragédia” e que “não faz sentido deixar de combater o contágio com o argumento de que isso prejudica a economia”. É o que o negacionista Bolsonaro faz desde o começo da crise, com negligência, desprezo pelos mortos, incapacidade de gestão e mau exemplo para os cidadãos.

O Congresso, ao votar a PEC Emergencial, deve eliminar a possibilidade de a União utilizar o auxílio emergencial para incentivar o negacionismo quanto à pandemia, chantageando governadores.

Precisamos de um mutirão pela vida. Um pacto capaz de impor o uso obrigatório de máscaras, distanciamento social, veto a aglomerações, auxílio emergencial até o fim da pandemia e vacinas para todos, já.

#PelavidaForaBolsonaro

Brasil 247

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor