2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sábado 31 de Julho de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.667

Novo herói bolsonarista, ex-presidiário Roberto Jefferson está na mira de Alexandre de Moraes e deve voltar para a cadeia em breve. Os minions vão visitar?

Roberto Jefferson posa com fuzil nas redes ameaçando o STF

Por Kiko Nogueira - 2 de maio de 2021

O novo ídolo dos bolsonaristas é um ex-presidiário que, em breve, deve estar em cana novamente, fazendo companhia a Daniel Silveira.

Roberto Jefferson fez sucesso na manifestação golpista na Avenida Paulista no sábado, 1º de maio. Fascistas se aglomeraram em diversas cidades e, de quebra, pioraram o quadro da pandemia em todo o país.

Um carro de som na altura da Fiesp contou com sua presença. Entre outras picaretagens, como uma “ameaça de morte”, atacou o STF.

“Chegamos no limite. A raiz do mal está plantada com o Supremo Tribunal Federal. Quem é que amarrou as mãos do nosso presidente Bolsonaro?”, gritava.

Corrupto confesso, ex-integrante da tropa de choque de Collor, mamador de todos os governos, ele foi condenado em novembro de 2012 a 7 anos e 14 dias de prisão no processo do Mensalão.

Ficou três atrás das grades, um em regime semiaberto, e o resto da pena foi perdoada.

Inventou que é evangélico, “conservador”, “pró-família” e defende Bolsonaro para um bando de otários contra os vilões de toga que não o deixam trabalhar.

Já posou com um fuzil ameaçando os ministros da Corte.

Numa live, disse que dois deles são “sodomitas”, que Fachin visitou gabinetes do Senado e que quem o conduziu foi “o homem da mala” da empresa JBS.

Chamou-os de “monturo de lixo”, indicados pela TV Globo, por empreiteiras e por “partidos comunistas”.

O novo messias do gado logo estará em cana.

Alexandre de Moraes solicitou informações ao TSE sobre dados da prestação de contas do PTB dos últimos cinco anos.

A ideia é saber se o presidente da legenda, Jefferson, usou dinheiro público para divulgar suas cascatas.

Trata-se de resposta a petição feita pela OAB no inquérito das fake news, que tem Jefferson como um dos investigados.

Na decisão, Moraes chama atenção para a “utilização do milionário fundo partidário, administrado pelo representado, como forma de financiar os ataques ostensivos e reiterados às instituições democráticas e à própria democracia”.

Até os azulejos da Catedral de Brasília sabem que Moraes não brinca em serviço.

O gado não irá visitá-lo na cana. Será esquecido, como Daniel Silveira, e morrerá sem choro nem vela daqueles que o chamaram um dia de “guerreiro”.

DCM

0 comentários:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor