2

São Gonçalo do Amarante - CE - Sexta-feira 17 de Setembro de 2021 - Ano: XIII - Edição: 4.715

Não vamos nadar para morrer na praia

Por Fernando Brito | 2 de Janeiro de 2021

Com um mergulho e algumas braçadas, para reunir-se com alienados e negacionistas que se espremiam na areia e no mar de Praia Grande (SP), começou a terceira temporada a série “Como destruir uma Nação”, estrelada por Jair Bolsonaro, coadjuvado por um grande elenco de nulidades de paletó e de farda, com a produção da mídia e de gente que ama o dinheiro acima de tudo, inclusiva da humanidade e de seu próprio país.

O Estadão, um de seus agora envergonhados pais – quem não se lembra que o aceitou como “uma escolha difícil” contra Fernando Haddad? – hoje se dedica a contar as horas – 17,5 mil ,diz – que falta para que nos livremos desta desgraça na chefia de um país no qual não se pode, absolutamente, falar em comando.

Mão é a única “Madalena” do pedaço. Hoje mesmo, Merval Pereira, o que achava que “as instituições” iam domar Jair Bolsonaro, revive o sonho udenista de que um candidato “punhos de renda” da nova UDN – Doria ou Sergio Moro, ou vice-versa e juntos e misturados – possa fazer frente ao ex-capitão e que uma candidatura Lula em 2022, que teria evitado, é do interesse de Bolsonaro, que se beneficiaria do antipetismo.

Há, também, as “madalenas” ditas de esquerda. Ciro, o ególatra, que resolveu a “escolha difícil” com um bilhete aéreo para Paris e Tarso Genro, que pede a João Doria para liderar uma frente antibolsonaro, de forma deprimente, como se faltassem a este país alternativas que não um dândi que represente a gente “de modos” contra um desclassificado, embora faça essencialmente o mesmo.

Usam como argumento o “populismo” de Bolsonaro, esquecidos que Doria fantasiava-se com roupas de gari, embora, como mostrou em suas férias em Miami, goste mesmo é de um cashmère.

Não têm ideia do que será o confronto que se dará ano que vem.

Não será daqueles em que baste vencer nas urnas.

Será que não viram o que se passou nos EUA com a derrota de Donald Trump e sua recusa em admiti-la? Acham que as Forças Armadas brasileiras, com sua história de intervencionismo, comportar-se-á como as norte-americanas, virgens em matéria de intervenção sobre o poder civil?

A retirada de Jair Bolsonaro do governo é um processo político-eleitoral, mas não só.

Envolve sinalizações claras no Judiciário, no Legislativo e nas Forças Armadas de que o resultado eleitoral será respeitado.

E exige um resultado eleitoral que não se alcançará se não houver uma candidatura de forte apelo e base popular, com um significado ancorado na memória e na realidade.

Porque isso Bolsonaro já o fez e, embora minoritárias, suas tropas egoístas e primitivas estão por toda parte, até mesmo nas águas da Praia Grande.

Falta aos ditos “liberais ” da direita brasileira o entendimento de que não há mais candidatura viável ou governante viável no Brasil sem a participação popular, apenas pelo “senso comum” da classe média.

Quem disse que quer enfrentar Jair Bolsonaro sem isso, trabalha por sua continuidade.

Tijolaço

0 comments:

[ Deixe-nos seu Comentário ]

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor